A importância de um Diretório Litúrgico

A Liturgia é um organismo vivo. Se no passado era definida por alguns teólogos como parte do direito canônico, após o Concílio Vaticano II fora legitimada uma nova abordagem que a considera contendo verdadeiro e próprio estatuto epistemológico, o que lhe garante, também, uma posição importante dentro das disciplinas teológicas. Há quem enxergue, inclusive, o século XX como o tempo que propiciou o nascimento da teologia litúrgica. De todos os modos, a partir da promulgação da Constituição sobre a Sagrada Liturgia (Sacrosanctum Concilium), as celebrações da Igreja já não são vistas, primeiramente, como uma experiência a normatizar, cuja responsabilidade repousa sobre a autoridade eclesiástica. Elas passam a ser interpretadas, sobretudo, como história a se assimilar e exprimir, ou seja, a História da Salvação, que nos é revelada em plenitude na pessoa e ministério de Jesus. O núcleo desta Historia Salutis é o encontro do ser humano com o Mistério de Deus, que se dá mediante a encarnação, paixão, morte e ressurreição do Senhor, o Mistério Pascal: Ao Pai, pelo Filho na unidade do Espírito Santo. Essa fórmula doxológica, muito antiga na Igreja, revela e sintetiza como se dá a atividade da Trindade na história da salvação: “O Pai é a origem e também o fim de toda a criação e salvação; Jesus Cristo é o sacramento que revela o Pai e o mediador que reconcilia a humanidade com Deus; o Espírito Santo é o poder por meio do qual Cristo eleva aqueles que caíram e os conduz ao Pai.”1 É importante percebermos a profunda mudança conceitual que se opera com o Concílio Vaticano II, uma vez que a discussão sobre a normatividade (direito) da liturgia será ainda uma questão importante no pós-concilio. Passa-se de uma compreensão meramente jurídica a uma perspectiva teológica. Se antes a Liturgia era concebida como “o conjunto de ritos legítimos, exteriores e públicos, ordenados pela competente autoridade da Igreja”2 , agora é toda a vida do Filho, da Igreja e do cristão, seguindo as intuições de Dom Piero Marini numa leitura teológico-espiritual da Sacrosanctum Concilium. Neste sentido, a normatividade das ações litúrgicas se submete e desdobra a partir dessa nova perspectiva conceitual. Implica assumir as leis que regulam a prática ritual no horizonte da natureza mesma da Liturgia e não como uma legislação que lhe é extrínseca, baseada tão somente na autoridade eclesiástica que a funda e fundamenta. O Direito Litúrgico em vigor tem por base elementar a nova perspectiva teológica a respeito da sagrada litúrgica e se destina, em grande parte, a manter aceso o objetivo pastoral e espiritual das celebrações da Igreja. Também entra em questão a perspectiva eclesiológica colegial, reafirmada e posta em prática pelo atual Pontífice, Francisco. Quer-se um exercício de corresponsabilidade na direção do Povo de Deus, cujas celebrações exercem um papel essencial, ao orientar o coração dos fieis para o Mistério de Cristo.3 É partir destas bases que se pode compreender a importância de um Diretório Litúrgico para a Igreja Local (Dioceses). Segundo a constituição dogmática sobre a Igreja, Lumen Gentium 13 e 23, a Diocese ou Igreja Particular é realização concreta da única Igreja de Cristo e é nela que se torna visível sua catolicidade. O Concílio afirma com segurança que a legitimidade das tradições próprias que cada (arqui)Diocese desenvolve, como testemunho rico e vasto do mesmo Evangelho. A Congregação para a Doutrina da Fé, mediante o documento Communionis notio, de 1992, lembra que “a Igreja universal é o Corpo das Igrejas” e estas Igreja Particulares são expressão da Igreja Universal em seu mistério essencial: “são expressões particulares da uma e única Igreja de jesus Cristo.”4 Uma vez que a Igreja Universal reconhece o antigo direito de cada Igreja particular, sobretudo as antigas igrejas patriarcais, de possuir leis, ritos e patrimônios espirituais e teológicos próprios, se pode compreender também que – mesmo sem se tratar de ritos distintos – as Igrejas particulares também possuam tradições próprias, desde que não firam a única fé da Igreja. A própria Sacrosanctum Concilium prevê a existência e incorporação de costumes locais à Liturgia, algo a que o Bispo Diocesano teve tratar com solicitude e dirigir com o auxílio de uma Comissão formada por especialistas em ciência litúrgica.5 Pe. Márcio Pimentel Liturgista —————————————– 1 CHUPUNGCO, Anscar J. Nozione di Liturgia. In. CHUPUNGCO, Anscar J. (dir.) Scientia Liturgica. Manuale de Liturgia. Vol I, Introduzione ala Liturgia. Roma: Piemme, 2003, p. 21. 2 MONTAN, Agostino. Il “diritto litúrgico”, significato e intepretazioni. In. Rivista LIturgica, Diritto e Liturgia. Ano XCVIII, fasc 5. Pádova: Edizioni Messaggero Padova, Abbazia S. Giustina, 2011, p.744(20). 3 Cf. saudação presidencial no Ordo Missae: “O Senhor que encaminha nossos corações para o amor de Deus e para a constância de Cristo esteja convosco.” 4 Communionis notio, n. 9. In. Denziger-Hünermann. Compêndio dos símbolos, definições e declarações de fé e moral. São Paulo: Paulinas e Loyola, 2007, n. 4922. 5 Cf. Sacrosanctum Concilium n. 40.44-46. –

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem