AUDIÊNCIA GERAL 29/03/23

Catequeses. A paixão pela evangelização: o zelo apostólico do crente – 9. Testemunhas: São
Paulo. 1

Estimados irmãos e irmãs, bom dia!

No caminho das catequeses sobre o zelo apostólico, começamos hoje a olhar para algumas
figuras que, de modos e em tempos diversos, deram um testemunho exemplar do que significa a
paixão pelo Evangelho. E a primeira testemunha, naturalmente, é o apóstolo Paulo. A ele,
gostaria de dedicar duas catequeses.

A história de Paulo de Tarso é emblemática sobre este tema. No primeiro capítulo da Carta aos
Gálatas, assim como na narração dos Atos dos Apóstolos, podemos relevar que o seu zelo pelo
Evangelho aparece após a sua conversão, e toma o lugar do seu zelo anterior pelo judaísmo. Era
um homem zeloso da lei de Moisés para o judaísmo e depois da conversão este zelo continua,
mas para proclamar, para pregar Jesus Cristo. Paulo era um apaixonado por Jesus. Saulo – o
primeiro nome de Paulo – já era zeloso, mas Cristo converte o seu zelo: da Lei para o Evangelho.
O seu impulso primeiro queria destruir a Igreja, mas depois ao contrário edifica-a. Podemos
perguntar-nos: o que aconteceu, como passou da destruição à construção? O que mudou em
Paulo? Em que sentido o seu zelo, o seu impulso para a glória de Deus se transformou?

São Tomás de Aquino ensina que a paixão, sob o ponto de vista moral, não é boa nem má: o seu uso virtuoso torna-a moralmente boa, o pecado torna-a má [1]. No caso de Paulo, o que o mudou não foi uma mera ideia ou convicção: para Saulo, o encontro com o Senhor ressuscitado – não
esqueçais isto, aquilo que muda uma vida é o encontro com o Senhor – transformou todo o seu
ser. A humanidade de Paulo, a sua paixão por Deus e a sua glória não foi aniquilada, mas
transformada, “convertida” pelo Espírito Santo. O único que pode mudar os nossos corações é o
Espírito Santo. E o mesmo é válido para cada aspeto da sua vida. Precisamente como acontece
na Eucaristia: o pão e o vinho não desaparecem, mas tornam-se o Corpo e o Sangue de Cristo. O
zelo de Paulo permanece, mas torna-se o zelo de Cristo. Muda o sentido mas o zelo é o mesmo.
O Senhor é servido com a nossa humanidade, com as nossas prerrogativas e caraterísticas, mas
o que muda tudo não é uma ideia mas a verdadeira vida, como o próprio Paulo diz: Se alguém
está em Cristo, é uma criação; passou o que era velho; eis que tudo se fez novo.
O encontro com Jesus Cristo muda-te a partir de dentro, faz de ti outra pessoa. Se alguém estiver
em Cristo é uma nova criatura, este é o sentido de ser uma nova criatura. Tornar-se cristão não é
uma maquiagem que te muda o rosto, não! Se fores cristão muda-te o coração mas se fores
cristão de aparência, não está bem… cristão de maquiagem não serve. A verdadeira mudança é
do coração. E isto aconteceu a Paulo.

A paixão pelo Evangelho não é uma questão de compreensão ou de estudos, que certamente são
úteis, mas não a geram; significa antes passar por aquela mesma experiência de “queda e
ressurreição” que Saulo/Paulo viveu e que está na origem da transfiguração do seu impulso
apostólico. Podes estudar toda a teologia que quiseres, podes estudar a Bíblia e tudo o resto,
mas seres ateu ou mundano, não é uma questão de estudos; na história existiram muitos
teólogos ateus! Estudar é útil, mas não gera a nova vida da graça. De facto, como diz Santo
Inácio de Loyola: «O muito saber não sacia nem satisfaz a alma, mas o sentir e o saborear as
coisas internamente» [2]. Trata-se das coisas que te mudam dentro, que te fazem conhecer outra
coisa, saborear outra coisa. Cada um de nós pense nisto: “Sou um religioso?” – “Pois bem” –
“Rezo?” – “sim” – “Procuro observar os mandamentos?” – “sim” – “Mas onde está Jesus na tua
vida?” – “Ah, não faço as coisas que manda a Igreja”. Mas Jesus onde está? Encontraste Jesus,
falaste com Jesus? Lês o Evangelho ou falas com Jesus, recordas quem é Jesus? E esta é uma
coisa que nos falta muitas vezes. Quando Jesus entra na tua vida, como entrou na vida de Paulo,
Jesus entra e muda tudo. Muitas vezes ouvimos comentários sobre as pessoas: “Mas olha
aquele, que era um pobre coitado e agora é um homem bom, uma mulher bondosa… Quem o
mudou? Jesus, encontrou Jesus. A tua vida que é cristã mudou? “Não, mais ou menos, sim…”. Se
não entrar Jesus na tua vida ela não muda. Podes ser cristão só por fora. Não, Jesus deve entrar
e isto muda-te e aconteceu a Paulo. É preciso encontrar Jesus e por isso Paulo dizia que o amor
de Jesus nos constrange, mos leva em frente. A mesma mudança aconteceu a todos os santos,
que quando encontraram Jesus foram em frente.

Podemos fazer uma ulterior reflexão sobre a mudança que ocorreu em Paulo, o qual de
perseguidor se tornou apóstolo de Cristo. Notemos que nele ocorre uma espécie de paradoxo: de
facto, enquanto ele se considerar justo perante Deus, então sente-se autorizado a perseguir, a
2aprisionar, até a matar, como no caso de Estêvão; mas quando, iluminado pelo Senhor
ressuscitado, descobre que foi “um blasfemador e um homem violento” (cf.
1 Tm 1, 13), – assim
diz de si mesmo: “fui um blasfemador e um violento” – então começa a ser verdadeiramente
capaz de amar. Este é o caminho. Se um de nós disser: “Ah, obrigado Senhor, porque sou uma
pessoa bondosa, pratico coisas boas, não cometo grandes pecados…”: este não é um bom
caminho, é uma estrada de autossuficiência, é um caminho que não te justifica, faz de ti um
católico elegante, mas um católico elegante não é um católico santo, é elegante. O católico
verdadeiro, o cristão verdadeiro é aquele que recebe Jesus dentro, que muda o coração. Esta é a
pergunta que faço a todos vós hoje: o que significa Jesus para mim? Deixei-o entrar no coração
ou só o tenho ao alcance da mão mas que não venha muito dentro? Deixei-me mudar por Ele?
Ou Jesus é apenas uma ideia, uma teologia que prossegue… E isto é o zelo, quando alguém
encontra Jesus sente o fogo e como Paulo deve pregar Jesus, deve falar de Jesus, deve ajudar
as pessoas, deve praticar o bem. Quando alguém encontra a ideia de Jesus permanece um
ideólogo do cristianismo e isto não salva, só Jesus nos salva, se tu o encontraste e lhe abriste a
porta do coração. A ideia de Jesus não te salva! O Senhor nos ajude a encontrar Jesus, a
encontrar Jesus, e que Jesus a partir de dentro nos mude a vida e nos ajude a ajudar os outros.
________________________________
[1] Cf.
Quaestio “De veritate”, 24, 7.
[2] Exercícios espirituais, Anotações, 2, 4.

Saudações:
Dirijo uma cordial saudação aos peregrinos lusófonos, nomeadamente aos Professores
brasileiros de Direitos Humanos e aos grupos portugueses de Alcobaça e Anadia bem como aos
Colégios Cedros e Horizonte de Vila Nova de Gaia. Agradeço a vossa presença e encorajo-vos a
continuar a dar, com fé, o vosso testemunho cristão na sociedade. Deixai-vos guiar pelo Espírito
Santo, para crescerdes repletos dos seus frutos. De bom grado vos abençoo a vós e aos vossos
entes queridos.

Resumo da catequese do Santo Padre:
A paixão e o zelo pelo Evangelho não são questão de boa compreensão ou de estudos, que
3podem ajudar, mas não os geram; aquela é gerada no contexto da mesma experiência de «queda
e ressurreição» que viveu o apóstolo Paulo e que está na origem da transformação do seu zelo
apostólico: de perseguidor que era, tornou-se apóstolo de Cristo. Saulo – o primeiro nome de
Paulo – já antes como fariseu era zeloso, mas Cristo converte o seu zelo da Lei de Moisés ao
Evangelho. Antes, o seu impulso levava-o a destruir a Igreja, depois constrói-a… Que foi que o
mudou? Foi o encontro com o Senhor ressuscitado às portas de Damasco, que transformou todo
o seu ser. A humanidade de Paulo não é aniquilada, mas transformada, «convertida» pelo
Espírito Santo. Precisamente como sucede na Eucaristia: o pão e o vinho não desaparecem, mas
tornam-se o Corpo e o Sangue de Cristo. O zelo de Paulo permanece, mas torna-se o zelo de
Cristo. Na vida de Paulo, vemos um paradoxo: no período em que ele se considerava justo aos
olhos de Deus, sentia que podia perseguir, prender e até matar, como no caso de Estêvão; mas,
quando foi iluminado pelo Senhor ressuscitado, descobre que tinha sido, até então, «blasfemo e
violento» e só agora começava a ser verdadeiramente capaz de amar. Como a Virgem Maria,
depois da anunciação do Anjo, foi, cheia de zelo, ajudar a prima Isabel, assim Paulo levou às
nações aquela graça de Cristo que, primeiro, o tinha alcançado a ele no caminho de Damasco,
corrigindo o sentido do seu zelo, da paixão missionária na sua vida.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem