AUDIÊNCIA GERAL 31/05/23

Catequeses. A paixão pela evangelização: o zelo apostólico do crente – 15. Testemunhas: Pe. Matteo Ricci

Prezados irmãos e irmãs, bom dia!

Prosseguimos as catequeses falando sobre o zelo apostólico, isto é, aquele que o cristão sente
para levar por diante o anúncio de Jesus Cristo. Hoje gostaria de vos apresentar outro grande
exemplo de zelo apostólico: falámos de São Francisco Xavier, de São Paulo, o zelo apostólico
dos grandes zelosos; hoje falaremos de um – italiano – mas que foi à China: Matteo Ricci.
Natural de Macerata, na região das Marcas, depois de ter estudado nas escolas dos jesuítas e de
ter entrado na Companhia de Jesus, entusiasmado com os relatos que ouvia dos missionários
entusiasmou-se, como muitos outros jovens, que sentiam o mesmo, pediu para ser enviado para
as missões do Extremo Oriente. Depois da tentativa de Francisco Xavier, mais vinte e cinco
jesuítas tinham procurado, sem sucesso, entrar na China. Mas Ricci e um dos seus confrades
prepararam-se muito bem, estudando cuidadosamente a língua e os costumes chineses, e no
final conseguiram estabelecer-se no sul do país. Foram necessários dezoito anos, com etapas em
quatro cidades diferentes, antes de chegar a Pequim, que era o centro. Com constância e
paciência, animado por uma fé inabalável, Matteo Ricci conseguiu superar dificuldades, perigos,
desconfianças e oposições. Pensai naquele tempo, caminhar ou ir a cavalo, quantas distâncias…
e ele ia em frente. Mas qual foi o segredo de Matteo Ricci? Por qual estrada o impeliu o zelo?
Ele seguiu sempre o caminho do diálogo e da amizade com todas as pessoas que encontrou, e
isto abriu-lhe muitas portas para o anúncio da fé cristã. A sua primeira obra em língua chinesa foi
precisamente um tratado Sobre a amizade, que teve grande ressonância. Para se integrar na
cultura e na vida chinesas, num primeiro período vestia-se como os bonzos budistas, o costume
do país, mas depois compreendeu que a melhor maneira era assumir o estilo de vida e os trajes
dos eruditos, como os professores universitários, os eruditos vestiam-se: e ele vestia-se assim.
Estudou profundamente os seus textos clássicos, a fim de poder apresentar o cristianismo em
diálogo positivo com a sua sabedoria confucionista e os usos e costumes da sociedade chinesa.
E isto chama-se uma atitude de inculturação. Este missionário soube “inculturar” a fé cristã em
diálogo como os Padres antigos com a cultura grega.

A sua excelente preparação científica suscitava o interesse e a admiração dos homens cultos, a
começar pelo seu famoso mapa-múndi, o mapa de todo o mundo então conhecido, com os
diferentes continentes, que revela aos chineses, pela primeira vez, uma realidade fora da China
muito mais vasta do que pensavam. Mostra-lhes que o mundo é maior do que a China, e eles
compreendem – pois eram inteligentes. Mas também os conhecimentos matemáticos e
astronómicos de Ricci e dos seus seguidores missionários contribuíram para um encontro
fecundo entre a cultura e a ciência do Ocidente e do Oriente, que então viverá uma das suas
épocas mais felizes, no sinal do diálogo e da amizade. Com efeito, a obra de Matteo Ricci nunca
teria sido possível sem a colaboração dos seus grandes amigos chineses, como os famosos
“Doutor Paulo” (Xu Guangqi) e o “Doutor Leão” (Li Zhizao).

No entanto, a fama de Ricci como homem de ciência não deve obscurecer a motivação mais
profunda de todos os seus esforços: isto é, o anúncio do Evangelho. Ele, com o diálogo científico,
com os cientistas, ia em frente, mas dava testemunho da própria fé, do Evangelho. A credibilidade
obtida mediante o diálogo científico conferia-lhe autoridade para propor a verdade da fé e da
moral cristã, que ele debate de modo aprofundado nas suas principais obras chinesas, como O
verdadeiro significado do Senhor do Céu – este é o nome daquele livro. Além da doutrina, são o
seu testemunho de vida religiosa, de virtude e de oração: estes missionários rezavam. Iam rezar,
moviam-se, tomavam iniciativas políticas, tudo: mas rezavam. É a oração que alimenta a vida
missionária, uma vida de caridade, ajudavam os outros, humildes, com total desinteresse por
honras e riquezas que levam muitos dos seus discípulos e amigos chineses a aceitar a fé
católica. Porque viam um homem tão inteligente, tão sábio, tão esperto – no sentido bom da
palavra – para levar as coisas em frente e tão crente que diziam: “Mas, o que prega é verdade
pois é dito por uma personalidade que dá testemunho: testemunha com a própria vida o que
anuncia”. Esta é a coerência dos evangelizadores. E isto cabe a todos nós cristãos que somos
evangelizadores. Posso recitar o “Credo” de cor, posso dizer todas as coisas que cremos, mas se
a minha vida não for coerente com o que professo não serve para nada. O que atrai as pessoas é
o testemunho de coerência: nós cristãos somos chamados a viver o que dizemos, e não fingir que
se vive como cristãos e viver como mundano. Olhai para este grande missionário – como Matteo
Ricci que é italiano – olhando para estes grandes missionários, vereis que a maior força é a
coerência: são coerentes.

Nos últimos dias da sua vida, a quantos estavam mais próximos dele e lhe perguntavam como se
sentia, Matteo Ricci «respondia que naquele momento pensava se eram maiores a alegria e o
regozijo que sentia interiormente, com a ideia de estar prestes a empreender a sua viagem para ir
pregustar Deus, ou a tristeza que lhe poderia causar deixar os seus companheiros de toda a
missão que tanto amava, e o serviço que ainda podia prestar a Deus Nosso Senhor nesta
missão» (S. DE URSIS, Relazione su M. Ricci, Archivio Storico Romano S.I.). Trata-se da mesma
atitude do apóstolo Paulo (cf. Fl 1, 22-24), que desejava ir para o Senhor, encontrar o Senhor,
mas dizia: “permaneço para vos servir”.

Matteo Ricci faleceu em Pequim, em 1610, com 57 anos, um homem que dedicou toda a vida à
missão. O espírito missionário de Matteo Ricci constitui um modelo vivo atual. O seu amor pelo
povo chinês é um modelo; mas o que representa uma estrada atual é a sua coerência de vida, o
testemunho da sua vida como cristão. Ele levou o cristianismo à China; ele é grande porque é umgrande cientista, ele é grande porque é corajoso, ele é grande porque escreveu muitos livros, mas sobretudo é grande porque foi coerente com a sua vocação, coerente com aquela vontade de
seguir Jesus Cristo. Irmãos e irmãs, hoje nós, cada um de nós, perguntemo-nos no íntimo: “Sou
coerente, ou sou um pouco assim-assim?”.

Saudações:

Saúdo os peregrinos de língua portuguesa, especialmente os sacerdotes do Sagrado Coração de
Jesus, vindos do Brasil! Seguindo o exemplo do Pe. Matteo Ricci, devemos anunciar o Evangelho
não pela força, mas através da amizade sincera e do diálogo fraterno, que espelham o Amor de
Deus por todos os seus filhos e filhas. Que o Senhor vos abençoe e vos proteja de todo o mal!

Resumo da catequese do Santo Padre:
Hoje veremos outro grande exemplo do zelo apostólico. Trata-se do Pe. Matteo Ricci, jesuíta
italiano que pediu para ser enviado como missionário ao Extremo Oriente. Preparou-se muito bem
para a missão estudando profundamente a língua e a cultura chinesa. Em sua missão, seguiu
sempre a via do diálogo e da amizade com todos os que encontrava. Conhecedor dos textos
clássicos chineses, apresentava o cristianismo em um diálogo positivo com a sabedoria local e
com os usos e costumes da sociedade chinesa da época, sendo o anúncio do Evangelho a
motivação mais profunda de todos os seus esforços. O seu exemplo de vida, unido à credibilidade
que havia obtido no meio cientifico, levaram muitos de seus amigos chineses a abraçarem a fé.

Morreu em Pequim, em 1610, e o seu método missionário, exercitado concretamente através da
amizade, do diálogo e do seu amor pelo povo chinês, permanece sendo uma fonte duradoura de
inspiração não somente para as relações entre a Igreja Católica e a China, mas para o diálogo
entre as culturas ocidental e oriental, a fim de que todos vivamos como irmãos e irmãs.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

AUDIÊNCIA GERAL 28/02/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 9. A inveja

É BOM ESTARMOS AQUI

Algo que dá sentido à vida humana é a compreensão de quanto esta é bela. Melhor ainda quando essa descoberta vem acompanhada por uma revelação

AMIZADE E FRATERNIDADE

Parece-me um tanto forçado o termo Amizade Social num contexto de fraternidade cristã. Porque a boa notícia que nos trouxe os Evangelhos é exatamente o

AUDIÊNCIA GERAL 14/02/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 8. A acídia

Enviar Mensagem