CIMI exige reassentamento de famílias que vivem em áreas dos Guaranis em SC

O Conselho Indigenista Missionário (CIMI) divulgou nota para exigir a “imediata desintrusão da TI (Terra Indígena) Morro dos Cavalos”, na região metropolitana de Florianópolis (SC). Os não índios precisam deixar a área para que a terra seja devolvida ao povo Guarani. O CIMI também exige que o governo estadual indenize os moradores atuais como autoriza o artigo 148A da Constituição Estadual. “A morosidade [no processo de indenização] permitiu que moradores retomassem o tumulto sobre o caso e estão se opondo a demarcação”, acrescenta a nota. Veja a nota na íntegra. “O Cimi Regional Sul vem a público manifestar-se pela imediata desintrusão da TI Morro dos Cavalos, com o pagamento das benfeitorias aos moradores não indígenas a devolução em definitivo da terra a comunidade Guarani. O Cimi requer também do governo do estado de Santa Catarina a regulamentação do Artigo 148A da Constituição Estadual a fim de reassentar ou indenizar pelas terras os ocupantes não indígenas, que fazem uso do espaço para sustentar a família. Ao persistir a morosidade na desintrusão o Cimi teme por mais violência conta a comunidade indígena. A TI Morro dos Cavalos ou Itaty localizada no município de Palhoça/SC foi identificada em 2002, declarada em 2008, demarcada em 2011 e somente agora, em 2013, a comunidade poderá, enfim, tomar posse da terra tradicionalmente ocupada. A Funai publicou, em dezembro de 2012, a relação dos ocupantes não indígenas aptos a receber a indenização pelas benfeitorias. Ocorre que até o momento não procedeu com as indenizações, depois de vários descumprimentos de prazo prometeu para abril. Essa morosidade permitiu que moradores retomassem o tumulto sobre o caso e estão se opondo a demarcação. No mês de fevereiro fecharam a BR 101, nos primeiros dias de março ocuparam a Assembleia legislativa a fim de pressionar a casa a manifestar-se contra a demarcação. Porém as ações não se restringem a argumentos e discursos, já que em fevereiro a tubulação de água que abastece a comunidade indígena foi cortada em 38 pedaços numa extensão de 2000 metros, em seguida a liderança e professores da comunidade começaram a receber ameaças de morte e de queima da casa. Na noite de ontem um não indígena invadiu a casa de um indígena, e só saiu quando a Policia foi acionada, quando esta chegou, ao invés do policial retirar o intruso, começou a questionar os indígenas, para saber quantos indígenas paraguaios viria morar na terra indígena. O atual processo de identificação teve inicio em outubro de 2001. A publicação do resumo no Diário Oficial da União ocorreu em dezembro de 2002 e até abril de 2008, data da publicação da Portaria Declaratória foram realizados intensos debates sobre o direito a terra. O expediente utilizado por não indígenas é de que os Guarani são paraguaios, que em estando demarcada viriam 15 mil Guarani ocupar a terra; que irão impedir o fornecimento de água aos moradores; que vão destruir as matas da região, ou sejam argumento de cunho preconceituoso. A revista Veja em duas edições 2007 e 2010 publicou matérias dando vazão aos preconceitos, com títulos “Made in Paraguai: a Funai tenta demarcar área de Santa Catarina para índios paraguaios , enquanto as do Brasil morrem de fome”. Toda a extensão da terra era parque estadual, porém os moradores nunca foram indenizados. São cerca de 70 famílias com direito a indenização, porém inúmeros empresários desejam as terras para construção de empreendimentos turísticos e exploração dos mananciais. Florianópolis, 21 de março de 2013.”

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem