Como constituir uma Associação de Famílias

A Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e Família (CEPVF), da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), vem motivar as comunidades, para que se associem em prol da defesa da família, e por crer que a família é a primeira e fundamental expressão da natureza social do homem, a célula social, a mais pequena e primordial comunidade humana de amor e de vida. Neste sentido, a CEPVF produziu um texto que sugere a forma como comunidades devem proceder para implantar as Associações de Família. O material também aborda como os grupos deverão se estruturar, e como deverão se direcionar na consolidação das associações. O principal objetivo da Associação de Famílias está em congregar pessoas convictas dos verdadeiros valores familiares para que se empenhem para fortalecer a família proporcionando a ela um clima cultural positivo e todas as condições para que seja capaz de cumprir suas tarefas, e continuar sendo o maior recurso disponível para cada pessoa e para a sociedade brasileira. Para o assessor da CEPVF, padre Wladimir Porreca, as Associações de Famílias são uma oportunidade de proporcionar aos membros, olhar para o futuro com esperança. “É a certeza de que a família é decisiva para construir ambientes de solidariedade e cooperação, para favorecer o crescimento humano/cidadão, relacional e espiritual das pessoas, especialmente dos jovens favorecendo a promoção da paz na sociedade”, descreve o assessor. Leia o texto da CEPVF: Como fazer para constituir uma Associação de Famílias? O grupo da Pastoral Familiar, Movimentos e Serviço podem ser promotores da Associação. 1) O primeiro passo – congregar e organizar o grupo – é conversar com amigos da Igreja, com colegas do trabalho e com vizinhos a respeito da família, das ameaças que enfrenta e da possibilidade de formar uma Associação para tentar proteger esse grande bem. Esse primeiro passo é fundamental e exige o cuidado de convidar pessoas que concordem que o bem maior é a família constituída por um homem e uma mulher, que prometem amor e fidelidade ao longo da vida inteira, fundada no matrimônio e aberta a gerar filhos e a educá-los. A marca da Associação de Família está em congregar pessoas que amem e a promovam a vida em abundância. 2) O segundo passo – organização estrutural – é reunir um grupo de 5 a 10 pessoas para entrar nos detalhes da Associação, dos objetivos, ler o modelo de Estatutos, conversar a respeito dos sócios, da sede e outros. É necessário identificar uma sede como endereço da Associação, no qual os membros da sua diretoria podem encontrar-se. Pode ser uma sala da paróquia, mas pode ser também outra sala que alguém possa oferecer para essa finalidade. 3) O terceiro passo – organização direcional e funcional – a) é escolher a diretoria (é preferível que seja de poucas pessoas, o número necessário para cobrir os cargos que inevitavelmente devem ser preenchidos). É aconselhável que os diretores da Associação não coincidam com os coordenadores pela Pastoral Familiar, para evitar que a pessoa fique sobrecarregada, ou se dedique a uma coisa abandonando a outra. b) Além dos sócios fundadores, pode-se abrir a categoria de “membros participantes” que participam das atividades, constituem um amplo conselho, mas não votam, para evitar que se crie uma maioria contrária aos interesses que deram origem à Associação e a desvirtuem. c) Para os sócios fundadores e os membros participantes exista uma taxa de adesão (mensal ou anual, sugerimos algo em torno de R$100,00, pagos de uma vez, uma vez por ano, ou em dez vezes, durante o ano). Pode-se criar um carnê para recolher contribuições ou outras formas de pagamento. d) Definida a diretoria, escreve-se a ata da fundação com a eleição dos diversos membros da diretoria e se levam os estatutos e a ata ao cartório para o registro. Uma vez registrada a ata, se requer o CNPJ. e) Em seguida, abre-se uma conta bancária que será movimentada com a assinatura do tesoureiro e do presidente (nunca por uma só pessoa). f) Com um panfleto que a CNPF deverá fornecer, procede-se à campanha de membros participantes e se começa a fazer a programação do ano.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem