DEPENDÊNCIA OU VOTO

Não. Não há nada de errado com o título. O contrário da dependência é ser livre, soberano. Por isso, a maior e a melhor das aspirações da vida humana é sua independência, seu livre arbítrio que lhe proporciona escolhas, lhe permite opções entre acertos e desacertos, entre caminhos e descaminhos, entre amores verdadeiros e paixões efêmeras, entre a vida e a morte. Quem imagina e aceita impedimentos nas suas decisões pessoais, assim, sem mais nem menos? Qual povo, em sua história de ideais coletivos, não aspira à liberdade e ao direito de administrar suas próprias escolhas, para si e para os seus? Tudo isso sabemos de cor e salteado com nossos conceitos de soberania.
Algo, porém, não exala bons fluidos nos quarteis de Abrantes. Na teoria, a prática é outra – dizem estes – mas ninguém, por mais impudico ou mal intencionado em suas ações politico-sociais, é capaz de apagar o DNA da liberdade humana, essa que mesmo tolhida e desrespeitada, permanece irretocável e inquebrantável em sua força de mobilização das massas. De nada lhes serve o jogo de artimanhas e falcatruas políticas, de distorções jurídicas, de contradições religiosas… A consciência popular é clarividente. Engana-se uma ou duas vezes, mas nunca para sempre… Um dia a casa cai. E cai em cima dos engenheiros do engodo, do oportunismo, da malversação dos fatos… Porque toda Verdade, além de soberana, também é independente. Não precisa de margens turbulentas ou plácidas para revelar sua face de amor e esperança sempre contida no rosto do povo. A imagem do cruzeiro sempre resplandece como sinal de vitória.
Às vezes a linguagem enigmática de uma parábola restringe o fulgor de uma crítica, um alerta que se ouse fazer. Tal qual o presente. Estamos dependentes de um sistema, uma circunstância, um momento ou transição que seja, mas não estamos aprisionados. A maior e mais sagrada ferramenta de um povo soberano e seu poder de escrutínio, seu direito ao voto. Esse uma faca de dois gumes, pois dependendo da forma consciente de seu uso é que construiremos o futuro que sonhamos. Ou desdenhamos. O poder do voto é a espada alçada aos céus, no grito de uma liberdade realmente desejada, que nos sinaliza a vida ou a morte dos sonhos acalentados. O desastre é proporcional à consciência deste. Se a maioria tem conhecimento dessas ameaças, então temos a oportunidade de correção de rumos. Mas se apenas uma minoria se dá conta das trevas, dos furacões, maremotos e terremotos a rondar esplendidos e ingênuos berços, oremos: Salve, salve!
Um voto é o sagrado direito da escolha. Não se cumpre esse dever como uma mera ação simbólica, mas direito de cidadania. Através desse direito o cidadão constrói sua própria dignidade, fazendo ecoar na pessoa do escolhido os direitos e deveres que toma para si próprio. Se a escolha for negligente, azar o seu. Arque você com sua irresponsabilidade. Mas se por trás de um voto consciente houver toda uma cadeia de valores sociais, comunitários e até convicções pessoais ou religiosas, com certeza, esse governo, essa liderança, esse escolhido para representá-lo terá a unção do sagrado, a autoridade do Soberano que nos conduz e governa sem dependermos de maiores tutelas. Sem bolsas, sem alforjes, sem esmolas…
Sem os grilhões da espada ou de qualquer jugo de morte. Porque o homem livre é aquele de dá um voto de confiança aos próprios sonhos e crenças. “A espada! A espada está afiada e polida” (Ez 21,14). Depende de seu voto.

WAGNER PEDRO MENEZES
wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem