DÍZIMO – OS PRÓ E OS CONTRA – Antoninho Tatto

Sobre o dízimo verificam-se duas posições bem distintas:
de um lado, os que quase não falam sobre o dízimo, e de outro lado os que falam demais. Tenho lido e ouvido depoimentos de padres que ficam arrepiados só de pensar em falar sobre o dízimo. Há os que, ao falarem, o fazem com tal escrúpulo que a impressão que dá é que estão pedindo desculpas ao povo por tratar de tal assunto.
Do outro lado da história, temos um comportamento de pessoas que tratam do dízimo sem o menor escrúpulo e nenhuma ética. E para justificar-se lançam mão de todos os argumentos possíveis e imagináveis, usando a Bíblia a seu bel-prazer para alcançar os fins que desejam, nem sempre recomendáveis. É constrangedor constatar estas situações em muitas igrejas.
Como é também constrangedor constatar que muitas igrejas passam a falar do dízimo só quando estão sufocadas financeiramente, quando as entradas não correspondem às necessidades. Na maioria das vezes a pregação do dízimo é para aumentar o faturamento.
Se esta for a razão da Pastoral do dízimo – aumentar a renda da paróquia – estamos desvirtuando nossa missão, nosso compromisso de fidelidade com a palavra de Deus. Independentemente da necessidade financeira, o dízimo deve ser pregado, assimilado e assumido porque faz parte dos ensinamentos de Deus ao seu povo.

Dízimo não é campanha financeira para resolver problemas de dinheiro. A Igreja necessita de recursos para realizar sua missão, e por isso exortam-se os fiéis para que assumam sua responsabilidade nesta tarefa, pois “Igreja somos todos nós e suas necessidades são nossas” diz um cartaz da diocese do Callau, em Lima, Peru.
A missão da Igreja é a razão pela qual devemos pregar – sem desvirtuar – sobre o dízimo. A igreja é mestra em orientar, ensinar e animar sobre aspectos importantes que envolvem a vida das pessoas, em vista do bem comum e da salvação de todos. A ela cabe discernimento, quando se tratar de dízimo.

Quando somos convidados a colaborar com a missão da Igreja, somos lembrados dos pontos essenciais, do que é fundamental: tudo é de Deus, tudo pertence a Ele e nada mais somos que administradores fiéis, ou não, disso tudo.
Alguns com muito, ***** com pouco. Cada um na proporção do que recebeu, bens e dons, é responsável pela administração para o bem de todos. E isso independe da necessidade econômica da Igreja.
Antoninho Tatto

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem