Dizimo Semente de Prosperidade

“Há quem dá com liberalidade e obtém mais.Outros poupam demais e vivem na indigência. A alma generosa será cumulada de bens, e o que largamente dá, largamente receberá”(Prov. 11,24-25) Um mendigo caminhava por uma estrada. Estava já cansado e a tarde vinha chegando. Na sua sacola velha e empoeirada, levava um pão duro, que o morador de um casebre lhe dera na manhã daquele dia. De vez em quando o mendigo, cansado e sujo, olhava para a frente e para trás, para ver se apontava alguém naquela estrada deserta. Qual não foi a sua alegria quando percebeu, ao longe, os sinais de uma carruagem. E sua alegria aumenta à medida que essa carruagem se aproxima: era o príncipe daquele país, com sua comitiva. O coração do mendigo bate forte. Prevê uma poderosa ajuda. Coloca-se à margem do caminho e estende a mão aberta:

– Dê-me um auxílio, por misericórdia! Com grande espanto, porém, o príncipe pára a carruagem e, por sua vez, diz ao mendigo: – Eu é que lhe peço um pedaço de pão! E o pobre mendigo, sem entender nada do que estava acontecendo, enfia a mão na sacola, quebra um pedacinho daquele pão velho, e o dá ao príncipe. A carruagem desaparece, e o mendigo continua caminhando lentamente, chateado e com uma grande decepção. Ao chegar a casa, porém, tem uma surpresa agradável: encontra na sacola um pedacinho de ouro, precisamente do tamanho do pedaço de pão que havia dado ao príncipe.
Então exclama com arrependimento:
– Por que não dei eu todo o pão? Ele teria se transformado, talvez, numa grande porção de ouro!
Esta lenda nos mostra o comportamento de alguém que precisa muito mas tem um coração egoísta. Ele ganhara o pão. Não satisfeito, busca alguém para que lhe ofereça mais. É um cara ambicioso. Já tem, mas quer mais. Nem usufrui do que tem e vai atrás do que os ***** têm. Não tem vergonha de pedir, “por misericórdia”!
Ao ser solicitado um gesto dele, fica confuso! Não está acostumado a dar, só a pedir. Fica constrangido. Para não pegar mal, quebra um pedacinho do pão que tem. Poderia dar mais, mas não o faz: tem medo de que lhe faça falta. Quando descobre a retribuição do príncipe, se arrepende e desejaria ter dado um pedaço maior de pão, ou talvez tudo. É ganancioso!
Isso nos faz lembrar determinados comportamentos diante da cesta das oferendas na hora da Missa. A miséria que depositamos, e ainda assim carregada de tantos preconceitos e julgamentos, nos faz pensar no dízimo que oferecemos a Deus, na Comunidade.

Quem semeia largamente, largamente colherá, nos lembra São Paulo. Na comunidade, nós oferecemos a Deus o dízimo. Deus aceita e o transforma numa dádiva incomparável, de valor infinito. Sempre que colocamos nas mãos de Deus aquilo que temos em nossas mãos, Deus nos retribui de maneira sobrenatural. Assim foi também a multiplicação dos pães no deserto, saciando milhares de pessoas.
“A alma generosa prosperará, o que rega será também regado” (Prov. 11,25) “Quem semeia pouco colherá pouco, quem semeia com fartura, fartura colherá”. (2 Cor. 9,6-12)
“Dai e vos será dado; será derramada no vosso regaço uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante, pois com a medida com que medirdes sereis medidos também”. (Luc 6,38)

Antoninho Tatto – Meac São Paulo Apóstolo

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem