E SUBIU AOS CÉUS

Quando pronunciamos essa verdade em nossa profissão de fé, o juramento que fazemos diante do altar na oração do Creio, não paramos para pensar no que estamos dizendo. Corremos o risco de um falso juramento. Afinal, entendemos plenamente o mistério da ascensão do Cristo? O que significa esse subir aos céus; onde é esse céu? Estaria distante da nossa realidade, do plano metafísico em que vivemos ou seria uma das muitas metáforas que Cristo usou para se referir a uma nova vida?

Como vemos, o assunto extrapola nossa realidade, vai além desta. Pra começar, não devemos imaginar o céu num contexto de lugar, acima de nossas cabeças. Antes, Cristo nos desafiou a “olhar as coisas do alto” com os olhos da fé, o dom do entendimento. Este nos aponta um horizonte maior, um plano existencialista que ultrapassa a realidade física, vai além desta. Este é o “céu”, a vida plena, a plenitude do corpo e da alma que o ensinamento cristão contrapõe à ciência humana. Portanto, não é um lugar determinado, mas um novo estágio, uma nova existência, outra forma de vida que ainda não experimentamos, mas que podemos imaginar com a graça de Deus.

Nosso céu começa aqui. A vida santificada, em sintonia com a Palavra e as Promessas de Deus, em especial aquelas reveladas por Cristo, conduzem-nos a essa experiência celestial ainda dentro de nossa realidade terrena. “Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. Mas o defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará o que eu vos tenho dito” (Jo 14, 25-26). A confirmação de tudo veio em Pentecostes, a graça que nos foi dada para melhor entender esse mistério. Aos que vivem na escuta da Palavra e observância dos ensinamentos que nos deixou o Mestre, é fácil entender e acreditar nos mistérios da vida celestial, a maior graça que um dia poderemos merecer. Esse é o caminho, a meta que buscamos.

Subir aos céus foi uma primazia de Cristo. Atrás dele seguiram todos os homens e mulheres da antiga aliança, resgatados na graça do Paraíso, que aguardavam a reconciliação humana com seu Criador. Atrás dele seguiremos nós. Nosso Messias foi o agente dessa história, “novo céu e nova terra” recriados com seu ato redentor. O caminho do céu está livre, desde então. Sua ascensão o colocou “à direita do Pai” e deixou-nos uma promessa de retorno “para julgar os vivos e os mortos”. Agora seguimos seus passos, caminhamos também para essa nova realidade de vida, onde todos, fiéis e infiéis, crentes ou não, santos e pecadores, um dia nos colocaremos frente a frente desse trono de luz, diante do Pai, do Filho e do Espírito que “dá a vida e procede do Pai e do Filho”. Quer queira, quer não, todos “subiremos” um dia. Agora, quer queira, quer não, muitos “cairão” e verão quão desgraçados foram em não aceitar o sublime desafio que nos deixou Jesus: “Se me amásseis, ficaríeis alegres”…

Essa alegria é reveladora. Não aquela que o mundo e suas fantasias nos fazem experimentar toscamente, fracamente, ilusoriamente. A alegria de Jesus é princípio de vida celestial, começo do céu em vida. Esta ninguém destrói, nem destruindo nossas existências, condenando nossa fé ou ironizando nossa vida de renúncias e sacrifícios por causa do Cristo. Quem vive a alegria dessa descoberta em suas vidas, no aqui e agora de uma existência atribulada, contraditória com o céu que sonhamos, o mundo que imaginamos mais justo e humano, inicia sua ascensão aos céus. Esse céu que começa aqui, com a alegria das revelações cristãs. Está mais perto do que imaginamos. Basta olhar para o “alto”, acreditar nas promessas daquele que “subiu aos céus” e nos deixou um desafio: “Disse-vos estas coisas para vos preservar de alguma queda” (Jo, 16,1).

WAGNER PEDRO MENEZES
wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem