Iniciou em Aparecida (SP) a Assembleia Geral da CNBB

Teve início nesta quarta-feira (10) em Aparecida (SP) a 51ª Assembleia Geral da CNBB (AG). As 7h30 os bispos participaram da celebração de abertura no Santuário Nacional, presidida pelo Arcebispo de Aparecida e Presidente da CNBB , Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis. Em seguida, no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho, aconteceu a abertura oficial que contou com a presença do Núncio Apostólico da Santa Sé no Brasil, Dom Giovanni D’Aniello. Mais de 360 bispos da igreja católica, dos 17 regionais da CNBB: Centro-Oeste, Leste, Nordeste, Noroeste, Norte, Oeste e Sul, estão em Aparecida. Do Estado do Paraná, Regional Sul II da CNBB, participam os bispos e arcebispos das 18 dioceses paranaenses e mais a Eparquia Ucraniana. A Assembleia Geral acontece ordinariamente uma vez por ano, quando são tratados assuntos pastorais de ordem espiritual e de ordem temporal e dos problemas emergentes da vida das pessoas e da sociedade, na perspectiva da evangelização. Segundo Dom João Bosco, presidente do Regional Sul 2, as assembléias da CNBB tratam da própria vida da Igreja do Brasil . “O importante é que, quando estão os bispos todos juntos, é a igreja que está unida, eles representam as suas dioceses e chegando à consensos nós temos uma igreja inteira que caminha junto”. Neste ano o tema central da 51ª AG será “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”. Para o Arcebispo de Maringá, Dom Anuar Batisti, esta nova paróquia precisa desburocratizar as suas estruturas. “As paróquias não podem ser estruturas para criar dificuldades, mas facilitar o contato das pessoas com a Igreja”. Ainda de acordo com Dom Anuar a igreja necessita uma verdadeira reviravolta no sistema de organização paroquial. “Que paróquia tem atendimento a noite? Como vamos atender aquele povo de Deus que trabalha o dia inteiro? Quais espaços temos na paróquia para atender as pessoas que estão em dificuldade, por exemplo os casais de segunda união?” questionou o arcebispo. “Temos muita lei, muita norma. Precisamos colocar mais amor na nossa pastoral, na nossa comunidade, na nossa igreja. Ser uma igreja acolhedora que integra e não afaste ninguém deste caminho da evangelização”, complementou. Também estão na pauta nesta 51ª AG outros assuntos como a 5ª Semana Social Brasileira, o código da mineração, questão agrária, as questões sociais e a Copa do Mundo de 2014, conjuntura juvenil entre outros. Para Dom Wagner, Bispo da Diocese de Guarapuava esses temas demonstram a preocupação da igreja com cada ser humano. “A igreja somos nós, cada pessoa faz parte dessa grande comunidade. Aquilo que interessa a cada um interessa à igreja, seja do ponto de vista social, cultural, econômico, da realização do bem estar comum, a igreja tem que estar presente contribuindo e ao mesmo tempo com o carinho e acolhimento de todas as pessoas.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

É BOM ESTARMOS AQUI

Algo que dá sentido à vida humana é a compreensão de quanto esta é bela. Melhor ainda quando essa descoberta vem acompanhada por uma revelação

AMIZADE E FRATERNIDADE

Parece-me um tanto forçado o termo Amizade Social num contexto de fraternidade cristã. Porque a boa notícia que nos trouxe os Evangelhos é exatamente o

AUDIÊNCIA GERAL 14/02/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 8. A acídia

 A CRENÇA NOS MILAGRES

É impressionante, mas bem antes de Jesus, desde sempre e até os dias atuais, basta um farfalhar, um burburinho qualquer anunciando milagres… lá está o

Enviar Mensagem