Jubileu de Ouro do Padre João Drexel

Aos 25 anos, ele já havia ingressado na Faculdade de Medicina, sido paraquedista do exército dos Estados Unidos, trabalhava como ator de teatro e tinha sido noivo. A vida do jovem norte-americano João Drexel parecia ter rumos certos na segunda metade da década de 1950, mas apenas parecia. “Com 25 anos, comecei realmente a pensar em algumas coisas: quem sou eu? Onde estou? o que estou fazendo? E para aonde eu vou?”, contou, ao O SÃO PAULO, o hoje padre, que celebrou os 50 anos de ordenação sacerdotal no sábado, 3, na Catedral da Sé. De família católica, certo dia João encontrou-se com um padre da congregação dos Missionários Oblatos de Maria Imaculada e dele recebeu o convite para o sacerdócio. Após discernimento vocacional e ingresso no noviciado, fez os primeiros votos na congregação e, na sequência, estudou quatro anos de teologia em Washington. Ordenado padre em junho de 1962, foi enviado em missão para o Brasil em setembro daquele ano e desde então vive a vocação, especialmente em favor das crianças e adolescentes em situação de vunerabilidade social. Muitas dessas, hoje atendidas pela Associação Maria Helen Drexel, fundada pelo padre em 1973, levando o nome de sua mãe, e também pelo Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedeca) da Luz, que ele ajudou a criar em 1992, estiveram na Catedral da Sé para a missa, presidida por dom Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau (SC) e concelebrada por dom Fernando Penteado, bispo emérito de Jacarezinho (PR) e outros 20 padres, entre os quais o provincial dos oblatos, padre Rubens Pedro Cabral. “De maneira maravilhosa, nosso padre João tem sido profeta, tem entregue a vida para o trabalho junto a Jesus homem de rua, a Jesus nas crianças”, lembrou dom Angélico, na homilia, “é por esse testemunho vivo que nós louvamos e agradecemos a Deus por esses abençoados 50 anos do nosso querido padre João Drexel”, enfatizou. Ao final da missa, o jubilando acolheu mensagens de agradecimento de integrantes das pastorais sociais e também as enviadas pelo cardeal dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, e dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Félix do Araguaia, e foi homenageado por crianças e adolescentes da Associação Maria Helen Drexel. “A catedral está quase cheia porque vocês acreditam naquilo que eu acredito: um mundo melhor”, expressou, em agradecimento. “Tudo o que o João é hoje, aos 50 anos de padre, foi o reflexo dos outros que acreditam comigo em outro mundo. Por causa disso, nós mergulhamos na realidade brasileira para tentar ser um instrumento de mudança social, política, econômica, cultural, religiosa e ética. Isso me deu vigor, me deu vida, porque eu acredito profundamente que Jesus se revela através do outro”, comentou à reportagem, o padre que em 14 de junho completará 80 anos de vida.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem