Brinquedo bom é brinquedo brincado

Conversa numa roda de parentes e, de repente, uma sobrinha solta essa: “dia bom mesmo é o dia das Crianças”. A conversa pega outro rumo e logo estamos comentando sobre as propagandas que não deixam esquecer que é bom presentear os pequenos. Aproveito a carona para fazer uma outra propaganda: que o melhor brinquedo para criança é o brinquedo brincado. O brincar traz inúmeros benefícios: a possibilidade de estar com o outro, manter contato, estabelecer companheirismo e solidariedade, mas também como conviver com as diferenças. Permite lidar com regras e aceitar os limites sem “doer” (muito). Faz sentir vontade de continuar e desistir, sentir esperança e desanimar. Eleva a auto-estima ou frustra. Sendo só de “brincadeira”, de “faz-de-conta” permite ensaiar, se preparar, recomeçar, fazer de outro jeito. Brincar de viver e conviver com elementos de saúde mental. Brincar é uma escola… O brinquedo que vem junto com alguém para brincar é pacote ideal. Aqueles brinquedos comprados podem ser importantes, estimulam o desenvolvimento e, quando dirigidos por faixa etária, respeitam a peculiaridade de cada criança. Os brinquedos comprados são atrativos, inteligentes e instigam raciocínio, memória, atenção, socialização, etc. O brinquedo comprado tem sabor de brincado quando livremente leva à interação com o próprio brinquedo e com outra pessoa. E existem outros que só são brincados. A presença da mãe, do pai, irmão ou amigos construindo bolo de barro, a cidade de formigas com gravetos e folhinhas, amarelinha na areia, lenço-atrás ou contando histórias para dormir são exemplos daqueles que não estão nas prateleiras. Mas ao alcance de todos, cabe em qualquer ambiente e não custa muito, só a disponibilidade interna e o respeito à criança. Viver os dias 12 de outubro, para além do apelo comercial, é pensar que infância (longe de ser ausência de desafios psíquicos e adaptativos) é o jeito inventivo, criativo, “arteiro”, produtivo e lúdico de superar etapas e alcançar novos estágios. Lição dos pequenos para gente grande! Se bom é brincar de aprender sempre… melhor ainda é junto de quem se ama e é amado. E alguns brinquedos brincados não são jamais comprados como rolar no chão com o pai, fazer bolo “por toda cozinha” com a mãe, brincar de professor do irmão mais velho, sonhar em ser super-herói e voar do sofá ao chão, pular na cama dos pais, alisar o rosto da mãe… Esses momentos marcam a vida com brincadeiras sérias e recheia com dias felizes a vida de adultos e crianças. Rosana Franco Psicóloga – CRP 08/0366 Missionária MEAC

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

Enviar Mensagem