MISERICÓRDIA DE DEUS São (Padre) Pio de Pietrelcina

São (Padre) Pio de Pietrelcina (1887-1968) Capuchinho – GF 171,169 «Contemplando a multidão, encheu-Se de compaixão por ela, pois estava cansada e abatida» A esperança na misericórdia inesgotável de Deus sustenta-nos no tumulto das emoções e no curso de contrariedades; é com confiança que acorremos ao sacramento da penitência, onde o Senhor nos espera a todo o momento, como Pai de misericórdia. Sem dúvida que diante dele temos plena consciência de não merecermos o seu perdão; mas não duvidamos da sua infinita misericórdia. Esqueçamos pois os nossos pecados, como Deus fez antes de nós. Não voltemos, nem pelo pensamento nem pela confissão, às faltas já expostas em confissões anteriores Com o nosso arrependimento sincero, o Senhor perdoou-as de uma vez por todas. Querer voltar às faltas já perdoados apenas para sermos absolvidos de novo, ou apenas porque temos dúvidas de que foram real e totalmente perdoadas, não será uma falta de confiança na bondade de Deus? Se isso te traz algum conforto, podes recordar as ofensas que fizeste à justiça de Deus, à sua sabedoria, à sua misericórdia, mas apenas para chorar lágrimas de arrependimento e de amor.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

Enviar Mensagem