O PÃO DE CRISTO

LEIA EM SILÊNCIO E MEDITE. O que se segue é um relato verídico sobre um homem chamado Vitor. Depois de meses sem encontrar trabalho, viu-se obrigado a recorrer à mendicância para sobreviver, coisa que o entristecia e envergonhava muito. Numa tarde fria de inverno, encontrava-se nas imediações de um clube social, quando viu chegar um casal. Víctor lhe pediu algumas moedas para poder comprar algo para comer. – Sinto muito, amigo, mas não tenho trocado – disse ele. Sua esposa, ouvindo a conversa perguntou: – Que queria o pobre homem? – Dinheiro para comer. Disse que tinha fome – respondeu o marido, – Lorenzo, não podemos entrar e comer uma comida farta que não necessitamos e deixar um homem faminto aqui fora! – Hoje em dia há um mendigo em cada esquina! Aposto que quer dinheiro para beber! – Tenho uns trocados comigo. Vou dar-lhe alguma coisa! Mesmo de costas para eles, Vitor ouviu tudo que disseram. Envergonhado, quería afastar-se correndo dalí, mas neste momento ouviu a amável voz da mulher que dizia: – Aquí tens algumas moedas. Consiga algo de comer, ainda que a situação esteja difícil, não perca a esperança. Em algum lugar existe um trabalho para você. Espero que encontre. – Obrigado, senhora. Acabo de sentir-me melhor e capaz de começar de novo. A senhora me ajudou a recobrar o ânimo! Jamais esquecerei sua gentileza. – Você estará comendo o Pão de Cristo! Partilhe-o – disse ela com um largo sorriso dirigido mais a um homem que a um mendigo. Víctor sentiu como se uma descarga elétrica lhe percorresse o corpo. Encontrou um lugar barato para se alimentar um pouco. Gastou a metade do que havia ganho e resolveu guardar o que sobrara para o outro dia, comeria ‘O Pão de Cristo’ dois dias. Uma vez mais aquela descarga elétrica corria por seu interior. O PÃO DE CRISTO! – Um momento!, – pensou, não posso guardar o Pão de Cristo somente para mim. Parecia-lhe escutar o eco de um velho hino que tinha aprendido na escola dominical. Neste momento, passou a seu lado um velhinho. – Quem sabe, este pobre homem tenha fome – pensou – tenho que partilhar o Pão de Cristo. – Ouça – exclamou Víctor- gostaría de entrar e comer uma boa comida? O velho se voltou e encarou-o sem acreditar. – Você fala serio, amigo? O homem não acreditava em tamanha sorte, até que estivesse sentado em uma mesa coberta, com uma toalha e com um belo prato de comida quente na frente. Durante a ceia, Víctor notou que o homem envolvia um pedaço de pão em sua sacola de papel. – Está guardando un pouco para amanhã? Perguntou. – Não, não. É que tem um menininho que conheço onde costumo freqüentar que tem passado mal ultimamente e estava chorando quando o deixei. Tinha muita fome. Vou levar-lhe este pão. – O Pão de Cristo! Recordou novamente as palavras da mulher e teve a estranha sensação de que havia um terceiro convidado sentado naquela mesa. Ao longe os sinos da igreja pareciam entoar o velho hino que havia soado antes em sua cabeça. Os dois homens levaram o pão ao menino faminto que começou a engolí-lo com alegria. De repente, se deteve e chamou um cachorrinho. Um cachorrinho pequeno e assustado. – Tome cachorrinho. Te dou a metade – disse o menino. O Pão de Cristo alcançará tambem você. O pequeno tinha mudado de semblante. Pôs-se de pé e começou a vender o jornal com alegria. – Até logo!, disse Vitor ao velho. Em algum lugar haverá um emprego. Não desespere! – Sabe? – sua voz se tornou em um susurro – Isto que comemos é o Pão de Cristo. Uma senhora me disse quando me deu aquelas moedas para comprá-lo. O futuro nos presenteará com algo muito bom! Ao se afastar, Vitor reparou o cachorrinho que lhe farejava a perna. Se agachou para acariciá-lo e descobriu que tinha uma coleira onde estava gravado o nome e endereço de seu dono. Víctor caminhou um bom pedaço até a casa do dono do cachorro e bateu na porta. Ao sair e ver que havia sido encontrado seu cachorro, o homem ficou contentíssimo, e logo sua expressão se tornou séria. Estava por repreender Vitor, que certamente lhe havia roubado o cachorro, mas não o fez pois Victor mostrava no rosto um ar e dignidade que o deteve. Disse então: – No jornal de ontem, oferecí uma recompensa pelo resgate. Tome!! Victor olhou o dinheiro meio espantado e disse: – Não posso aceitar. Somente queria fazer um bem ao cachorrinho. – Pegue-o! Para mim, o que você fez vale muito mais que isto! Você precisa de um emprego? Venha ao meu escritório amanhã. Faz-me muita falta uma pessoa íntegra como você. Ao voltar pela avenida aquele velho hino que recordava sua infância, voltou a soar em sua alma. Chamava-se ‘PARTE O PÃO DA VIDA’, ‘NÃO O CANSEIS DE DAR, MAS NÃO DÊS AS SOBRAS, DAI COM O CORAÇÃO, MESMO QUE DOA’. QUE O SENHOR NOS CONCEDA A GRAÇA DE TOMAR NOSSA CRUZ E SEGUÍ-LO, MESMO QUE DOA!

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

Enviar Mensagem