Pastoral do Dizimo

“NÃO É COMIGO!” Personagens: Um Narrador, e cinco personagens cada um com seu nome estampado na camiseta tanto na frente como nas costas. Deve ser uma interpretação bem humorada. – Narrador: Esta é uma estória de quatro personagens. TODOMUNDO, ALGUÉM, QUALQUERUM e NINGUÉM. Havia um importante trabalho para ser desenvolvido na comunidade , a “ Pastoral do Dízimo”. TODOMUNDO tinham certeza que ALGUÉM o faria. QUALQUERUM podia tê-lo feito, mas NINGUÉM fez.ALGUÉM zangou-se porque era trabalho de TODO MUNDO. TODOMUNDO pensou que QUALQUERUM poderia fazê-lo, mas NINGUÉM imaginou que TODOMUNDO deixaria de fazê-lo.No final TODOMUNDO culpa ALGUÉM, quando NINGUÉM fez o que QUALQUERUM poderia ter feito.Ainda bem que isso não tem nada a ver com nossa comunidade! Não é dona CONCIÊNCIA? CONCIÊNCIA: Será!? Narrador: Segundo a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) no Estudo Pastoral do Dízimo “ O Dízimo é meta a ser atingida. Não é mera exortação ou um objetivo desejável. As Igrejas Particulares devem buscá-la”. Esta opção não é nova, não é coisa inventada agora, sempre existiu. O povo de Deus em agradecimento retribuía com as primícias, os dízimos. Viviam felizes, eram abençoados. Quando povo tinha tudo do que precisavam com certa facilidade, achavam que eram auto suficientes, e se afastavam de Deus. Sem a benção de Deus vinham os problemas e o povo sofria. Orientados retornavam para Deus, reconheciam a dependência Dele, e voltavam a dar os primeiros frutos das colheitas, os dízimos, e tudo voltava a normalidade. Estamos vivendo situação idêntica. Estamos nos afastando de Deus, já não somos tão fiéis como deveríamos ser. A Igreja nos convida então a sermos fiéis com os dízimos. CONCIÊNCIA: Portanto TODO MUNDO precisa pensar nisso. -TODO MUNDO – Porque é que eu tenho que pensar nisso? Não me venha impondo tarefas, mais trabalhos e complicações na minha vida. Já tenho muita coisa para cuidar. Eu acho que QUALQUERUM pode fazer este trabalho. – QUALQUERUM –Êpa, calma lá. Não joga a batata quente pro meu lado não. Vocês inventam este negócio de Dízimo e não seguram o rojão?! Eu só queria saber o porque deste negócio de Dízimo agora! Não tava bom? Tinham que inventar esse negócio!? Mas já que dizem….. que é coisa importante, ALGUÉM tem que cuidar disso. – ALGUÉM – Pronto, eu sabia que ia sobrar pra mim. Estou quieto no meu canto, sou bonzinho, vou a missa e tudo mais, porque esta implicança? Porque que antes NINGUÉM pensou nisso, nessa encrenca? – NINGUÉM Êpa,… Devagar com as pedras que o santo é de barro. Não pensei e nem poderia pensar, nunca esteve na minha cabeça tal preocupação porque sempre achei que o padre não precisa de dinheiro. Se bem que ouvi dizer, que não é bem assim, mas falo o que TODOMUNDO diz. – TODOMUNDO É mesmo é? Bonitinho você! Pensa bobagem mas sabe que está errado e não faz nada. Não pode ser assim não, ALGUÉM tem que assumir isso. – ALGUÉM Eu acho que você não entendeu. Vocês estão não estão dizendo coisa com coisa. Acho que é proposital para NINGUÉM contribuir. – NINGUÉM Eu não vou contribuir coisa nenhuma! Aliás, não to a fim de contribuir de jeito nenhum. Não sei do que se trata, não quero saber, não é problema meu. Que ALGUÉM cuide disso! – ALGUÉM Minha gente…..Deixem eu quieto. Eu prometo que não vou incomodar NINGUÉM. – NINGUÉM É claro que não vai me incomodar.Só me faltava isso agora! Este negócio de Dízimo é coisa de padre. Não tenho nada a ver com isso. QUALQUERUM sabe disso. – QUALQUERUM Eu não sei de nada, eu não quero saber de nada! O que eu sei é que aqui nunca se falou destas coisas. Eu até estou achando que é coisa de comunistas, ou coisas do diabo!TODOMUNDO precisa ter cuidado disso! -TODOMUNDO Porque que devo me cuidar? Eu não vou me preocupar não, porque no fim, ALGUEM vai fazer o que tiver que ser feito. – ALGUÉM Mas será o Benedito! Eu outra vez? Deixa eu quieto! Se eu for falar que Dízimo é coisa importante, NINGUÉM vai acreditar. – NINGUÉM Não vou acreditar mesmo!! Aliás eu não quero nem saber de acreditar e nem de desacreditar. Estou fora disso. QUALQUERUM pode cuidar desta Pastoral, menos eu. – QUALQUERUM Você não pode jogar a responsabilidade sobre mim quando TODOMUNDO sabe que esse negócio de Dízimo não é coisa séria, aqui tem cooooisa gente! – TODOMUNDO Não entendi? Eu não sei de nada! ALGUEM tem que esclarecer esse negócio. -ALGUÉM Porque agora inventar estas coisas quando está TODOMUNDO feliz? – TODOMUNDO Bem, não é bem assim, eu não estou feliz coisa nenhuma. A bem da verdade vejo que NINGUÉM está feliz. – NINGUÉM Não me comprometa. Eu não estou feliz não. Este sistema quem vem vindo, rifas, bingos, festas com bebidas alcoólicas, não está bom, não forma comunidade, vejo que não compromete e até cria constrangimento da gente e até do padre. QUALQAUERUM sabe disso. – QUALQUERUM Para falar a verdade eu fiquei sabendo que o atual sistema de taxas, fazer festas, rifas bingos foi coisa inventada por ALGUÉM para ajudar na evangelização. – ALGUÉM Nada disso, não fui eu não. Pra falar a verdade, eu ouvi dizer que o Dízimo sempre existiu. É uma prática que foi abandonada, e o que colocaram no lugar não foi coisa boa. A Igreja agora nos chama para mudar a situação, pra voltar a ficar tudo bonito outra vez. Então TODOMUNDO deve se envolver nisso. – TODOMUNDO Porque eu se QUALQUERUM pode fazer? – QUALQUERUM Eu já disse que não é minha praia. Se é uma coisa importante, uma coisa boa e necessária, que ALGUÉM assuma. – ALGUÉM Não consigo entender estas coisas! É um trabalho da Igreja, está de acordo com a Palavra de Deus – pelo menos é o que o padre vem dizendo- dá para entender que é o que realmente forma o espírito comunitário. Então, porque é que NINGUÉM quer assumir? CONCIÊNCIA: É, parece que vai começar tudo de novo. Mas eu não posso me calar. Temos uma comunidade, e todos acham que não te nada a ver com ela, e por isso jogam o problema praqualquerum, que por sua vez diz que é coisa de todomundo, que fica esperando que alguém faça sua parte e ninguém assume e por isso nada acontece. (Entra aqui a reflexão sobre as três dimensões do dízimo) No Final: CONCIÊNCIA: E agora José? Como é que você sai dessa?! – Se somos comunidade, povo de Deus, precisamos ajudá-la, fortalecê-la, colaborar com ela! – Se em Jesus somos todos irmãos, ninguém pode passar necessidades! Precisamos partilhar! – Se todos somos missionários, temos que evangelizar! Ou ajudar quem evangeliza! ALGUÉM: (Chega pensativo) Já sei que é comigo o negócio. Mas acho que é tarefa de Todomundo. TODOMUNDO: (Entra) Já que alguém entendeu sua missão, vou assumir minha parte, fazer o que posso. Com o pouco que tenho, somado com o dele, qualquerum resolve os problemas da comunidade. QUALQUERUM: (Entra) É isso mesmo, resolvo mesmo. Depois de tudo o que vimos e ouvimos, esta claro que é tarefa nossa, e pelo que eu estou sentindo de alegria, aqui dentro do coração, acredito que Ninguém deixará de colaborar. NINGUÉM: (Entra) Com certeza, podem contar comigo porque hoje descobri o que é co-responsabilidade, e como nós todos somos importantes na comunidade. Todos se abraçam formando um círculo e a parece a palavra COM,UNI,DA,DE nas costas a medida que vão rodando. (A CONCIÊNCIA fica de lado sorrindo, aplaude, esse vira para o público e faz aceno para todos a aplaudirem.) TODOS: Abrem uma faixa onde está escrito: Igreja somos todos, e suas necessidades são nossas. Obs: Este texto pode ser adaptado, acrescentado ou diminuído conforme a realidade de cada comunidade. Antoninho Tatto – Meac São Paulo Apóstolo + 55 11 2802-7205

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

Enviar Mensagem