Reflexões

Pesquisar

CINCO SEGREDOS DE SANTIDADE

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A exortação que o Papa faz para que o mundo se santifique não é uma cartilha de segredos revelados, mas um manancial de paz e amor para o homem contemporâneo. Em seu quarto capítulo, “Alegrai-vos e exultai” deixa pistas, em especial cinco regras básicas, para uma vida mais afeita aos planos de Deus. Cito-as de chofre, se você por elas se interessou. Primeiro, ter uma vida capaz de suportar as contrariedades, com paciência e mansidão. Segundo, viver com alegria e sentido de humor. Terceiro, ter ousadia e ardor naquilo que de melhor faz. Quarto, viver o espírito de comunidade e, por último, viver em oração constante. Isso é o básico.

Nenhuma dessas regras teriam valor se antes inexistisse a fé. Nem se esta observância fosse uma das “tantas formas de falsa espiritualidade sem encontro com Deus que reinam no mercado religioso atual” (111), alerta o Papa. Bem lembra o quão distante estamos de uma religiosidade liberta de tantos e tantos vícios e contradições, que nos aproxima daquele “covil de ladrões” execrado e denunciado por Jesus diante dos vendilhões do Templo. O termo “mercado” é bem apropriado ao caso. Santidade não se vende, nem se compra.

Mas suportar tudo isso com fé e coragem é “a fonte de paz que se expressa na atitude de um santo” (112). “Esta atitude não é sinal de fraqueza, mas da verdadeira força, porque o próprio Deus é paciente e grande em seu poder (113). Então, eis a realidade dos dias atuais: “Pode acontecer que os cristãos façam parte de redes de violência verbal através da internet”. “É impressionante como, às vezes, pretendendo defender outros mandamentos, se ignora completamente o oitavo, “não levantar falso testemunho” (115). Alguém discorda? Porém a paciência que Ele nos pede não é humilhação pura e simples. “A santidade que Deus dá à sua Igreja, vem através da humilhação do seu Filho” (118). Sua mansidão “não é caminhar com a cabeça inclinada, falar pouco ou escapar da sociedade” (119). Isso tem outro nome, fuga, covardia.

Porque ser santo, antes de tudo, é ser feliz. É saber se relacionar, se posicionar, marcar presença, questionar. É ser alegre onde quer que esteja. “O santo é capaz de viver com alegria e sentido de humor” (122). O anúncio do Messias, desde sempre, foi uma notícia alegre. “Maria, que soube descobrir a novidade trazida por Jesus, cantava: o meu espírito se alegra...” (124). “Quando Ele passava, a multidão se alegrava (Lc 13). Porque a tristeza não tem espaço no coração de um devoto. “O mau humor não é um sinal de santidade” (126).

A ousadia é rótulo da fé. Os apóstolos saíram daquela sala pentecostal com alegria no olhar e ousadia no coração. Eram impelidos “a anunciar Jesus Cristo com ousadia, entusiasmo, ardor apostólico” (129). Simplesmente porque “a ousadia e a coragem apostólica são constitutivas da missão” (131) que se abre para a realidade do mundo. “Lembremo-nos disto: o que fica fechado acaba cheirando a mofo e criando um ambiente doentio” (133). E missão é uma explosão da vida comunitária autêntica, que se deixa contagiar e contagia com o impulso de uma boa nova. Exatamente essa é a quarta regra: vida em comunidade. Porque “a santificação é um caminho comunitário”. Porque “viver e trabalhar com outros é, sem dúvida, um caminho de crescimento espiritual (141). Porque na comunidade se valorizam detalhes. A necessidade do vinho, a ovelha que falta, a dádiva da viúva, o azeite na reserva, os pães que possuem, a fogueira e o peixe na grelha. “A comunidade que guarda os pequenos detalhes é lugar da presença do ressuscitado, que a vai santificando” (145).

Nisso tudo, nos falta o essencial: sintonia. A oração constante é o grande segredo da vida santificada. “O santo é uma pessoa com espírito orante, que tem necessidade de comunicar com Deus” (147). Não necessariamente dirigir-lhe súplicas e louvores, mas também e sobretudo a oração da intercessão e solidariedade, da confiança em uma resposta positiva que nossa voz possa exigir de Deus. E atenção às respostas. “Se não escutamos todas as nossas palavras serão apenas rumores que não servem para nada” (150). Santificado seja...

WAGNER PEDRO MENEZES
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.