Justiça salvadorenha rejeita pedido de extradição de implicados na morte de jesuítas em 1989

San Salvador (RV) – A Corte Suprema de El Salvador rejeitou o pedido de extradição apresentado pela Espanha dos 13 militares reformados por sua suposta implicação no assassinato de seis jesuítas, de uma funcionária e sua filha em 1989, durante a guerra civil (1980-1992). A Corte recebeu o pedido em janeiro e a decisão foi tomada por nove dos 15 membros da Corte. O crime foi cometido em 15 de novembro de 1989, quando os soldados do batalhão anti-guerrilha Atlacatl, adestrado nos Estados Unidos, invadiram a Universidade Centro-americana José Simeón Cañas (Uca), matando os jesuítas Ignacio Ellacuría, Ignacio Martin Baro, Segundo Montes, Amando Lopez, Juan Ramon Moreno e Joaquin Lopez, além da cozinheira Elba Julia Ramos e sua filha de 15 anos Celina Mariceth Ramos. Inicialmente, o governo tentou atribuir a responsabilidade à guerrilha “Frente Farabundo Martí para la Liberación Nacional” (Fmln), o partido hoje no poder. Um coronel, dois tenentes, um subtenente e cinco soldados foram processados em 1991: sete foram absolvidos; dois – Guillermo Benavides e Yusshy Mendoza – foram condenados a 30 anos de prisão, mas beneficiaram de uma anistia decretada em 1993. A anistia encerrou o caso em El Salvador – que, todavia, foi reaberto em 2009 pela Espanha, com base numa denúncia apresentada por duas associações que se ocupam de Direitos Humanos.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

Enviar Mensagem