Karol Wojtyla, um marco na História

Cidade do Vaticano (RV) – Em um dia 22 de outubro, 34 anos atrás, tinha início o pontificado de João Paulo II. Naquele ano, 1978, o Brasil começava a sair do regime: o Presidente Ernesto Geisel decretava o fim do AI5, maior instrumento jurídico de repressão política, criado 10 anos antes pela ditadura militar, nascia na Inglaterra o primeiro bebê de proveta do mundo; e nós conhecíamos o primeiro PC, o computador pessoal. Apenas 33 dias após ter sido eleito, em 28 de setembro morria o Papa João Paulo I. O Cardeal Karol Wojty?a, arcebispo de Cracóvia, era eleito 264º Papa da história da Igreja, quebrando o domínio italiano que se mantinha desde o Papa holandês Adriano VI, em 1522. João Paulo II não foi só o líder dos católicos do mundo; aclamado como um dos líderes mais influentes do século XX, Wojty?a assumiu uma função preponderante no fim do comunismo na Polônia e na Europa do Leste, além de ter dado o impulso decisivo para a aproximação da Igreja Católica a diferentes religiões. Conhecido como um “Papa peregrino”, visitou 129 países durante seu pontificado. Expressava-se com facilidade em italiano, francês, alemão, inglês, espanhol, português, ucraniano, russo, servo-croata, esperanto, grego clássico e latim, além do polonês, sua língua nativa. Beatificou 1340 pessoas e canonizou 483 santos, mais do que todos os seus predecessores somados nos cinco séculos anteriores. Ele mesmo já é Beato, desde 1º de maio de 2011, quando mais de um milhão de fiéis lotaram a Praça São Pedro, recordando o Papa que ficou na história do mundo, dos que crêem e dos que não crêem.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

Enviar Mensagem