Nesta segunda-feira (27), a Comissão do Pontifício Conselho para os Leigos, órgão responsável pela organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) chega ao Rio de Janeiro. O Presidente do Pontifício Conselho, Cardeal Stanislaw Rylko, viaja acompanhado

Fazer uma boa provocação para que a sociedade brasileira discuta o tema saúde pública. Este é um dos objetivos do Grupo de Trabalho (GT) sobre este tema, que se reuniu na manhã desta terça-feira, 28/02, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília. Os participantes do grupo representam diversas entidades, como organizações sociais da área de saúde, organizações não-governamentais, movimentos e pastorais. O GT surgiu de um debate promovido no último dia 17 que tinha como preocupação encontrar caminhos para potencializar a reflexão sobre a saúde pública, proposta pela Campanha da Fraternidade deste ano. A tarefa do grupo é monitorar os desdobramentos da reflexão, a partir das atividades propostas. Entre estas ações está a realização de dois seminários para discutir o tema: o primeiro em maio, de âmbito nacional, e o segundo próximo das eleições, em âmbito local. Também deverá ser elaborada uma carta aberta em defesa do Sistema Único de Saúde e promovido um debate junto ao governo federal. “A questão deve ser prioridade para o país e também nos municípios”, lembra o padre Ari Antonio dos Reis, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, Justiça e Paz da CNBB. Como integrante do grupo, ele lembra que o calendário eleitoral pode ser providencial para a discussão. “A discussão do tema saúde pode ajudar na reflexão, e exigir dos candidatos atitudes concretas em benefício da saúde pública em âmbito local”. Também participa do GT uma representante da articulação estudantil. Para Bianca Borges, os estudantes brasileiros devem colaborar neste debate político da saúde, não apenas constatando que o serviço público é ruim. “Queremos mostrar que a saúde é um direito social conquistado num país democrático, e não é favor de um governo”. Ela recorda ainda que este engajamento é importante para a própria qualificação profissional dos estudantes, inclusive na implementação de uma formação interdisciplinar. Integram também este GT sobre saúde pública o coordenador da Pastoral da Saúde, Sebastião Venâncio, a presidente do Centro Brasileiro de Estudos em Saúde, Ana Maria Costa, e o assessor da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, Guilherme Delgado.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

Enviar Mensagem