O APRENDIZ DO FEITICEIRO

Poder e liderança são matérias de quem busca um bom governo. Na arte e na vida. Delas somos aprendizes. Sem liderança não há poder, mas sem poder pode haver liderança. Esta sutil atribuição ao desempenho de um líder nato é que identifica por primeiro as motivações e pretensões de qualquer liderança. Se a aspiração primeira de um líder for galgar o poder e nele se locupletar, cuidado! Fatalmente seus liderados serão conduzidos às mais cruéis desilusões. Mas se o guia de um povo usa de seu poder de liderança por amor e respeito, nunca por vaidade e interesses próprios, siga seus passos! Sua liderança é que lhe dá poderes. Do povo emanam suas forças. A diferenciação que aqui apresento nasce de uma releitura dos fatos políticos que tem abalado o mundo desde sempre. Em especial nos nossos dias. Escândalos e prisões políticas – causa e consequência da disparidade entre poder e liderança – não necessariamente é nossa motivação primeira. Contribuem, sim, mas numa esfera de cunho moral e pessoal, que usa o caráter do indivíduo, nunca dos liderados por ele. A contribuição popular – daqueles que se deixam seduzir, enganar por promessas utópicas – vem muito mais de sua ingenuidade e analfabetismo político, do que propriamente de sua cumplicidade. O que mais assusta é a ascensão de lideranças portadoras das mais abjetas tendências elitistas e preconceituosas, que chegam ao poder ovacionados por uma grande maioria de seguidores. A volta ao passado de segregações e valorização de castas, clubes fechados de elites, admissão da eficiência dos muros que dividem mais que as fronteiras já existentes, tipificação de direitos conforme a origem, a religião e não a competência, e não a prática de uma fé fraterna, igualitária… ah!, para onde iremos? Por que voltar por um caminho que o mundo bem conhece com suas dores e desilusões? Qualquer retrocesso num caminho de conquistas – em especial quando estas custaram o sangue de muitos – só gera decepção. Avalie muitos dos fatos recentes. No Brasil, quem outrora se ufanava de seus poderes para prender, soltar, condenar ou promover, fazer cumprir a lei ou ignorá-la a seu bel prazer, agora chora e esperneia ou protesta quando lhe oferecem remédio idêntico ou obrigam-no a ocupar cadeias que seu poder construiu. No mundo novas lideranças nascem das cinzas de um passado não tão distante, onde a intolerância do poder cego e a cegueira de lideranças oportunistas fizeram milhões de vítimas. No país que se diz exemplo maior da mais pura democracia, a diretora de uma instituição de caridade (ajuda a Idosos), deixa clara a ascensão desse sentimento de intolerância racial, que nos preocupa, ao publicar em uma rede social: “Será revigorante ter uma primeira-dama elegante, bonita e digna. Estou cansada de ver uma macaca de salto”. Referia-se à surpreendente eleição presidencial americana, que substituirá no poder um casal de negros por um casal de brancos, como se a cor da pele fizesse a diferença do poder americano sobre o mundo…, ou coisa assim! Abramos nossos olhos, mas também nossos corações. É hora de avançarmos, não regredirmos. Muito já conquistamos neste longo aprendizado de muitas lutas, de sonhos partilhados ao custo do sofrimento, da dor, da paixão e morte de líderes verdadeiros, imortais, heróis na arte de conduzir seu povo e delimitar seus poderes. A estes devemos o mundo melhor que ainda buscamos, mas que vislumbramos de antemão. Não podemos deixá-lo fugir de nossos sonhos, justamente agora, com tantos avanços contabilizados. Ei-lo, ali, na esquina onde a caridade cristã sabe respeitar a experiência dos antepassados. Liderar não é para quem quer, mas para quem pode. Ou seja: Deus capacita, elege e dá poderes. A nós compete a escolha, o caminhar. Nesta arte, o líder que se preza será um eterno aprendiz. WAGNER PEDRO MENEZES wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem