O CHIFRE DO DIABO

A fome na África nunca foi novidade. Mas continua fazendo vítimas, em especial crianças. A ONU só considera situação endêmica quando morrem duas para cada dez mil pessoas ou quando 30% da população sofre desnutrição aguda. Fora disso, eventuais mortes são acasos do destino ou fatalidades circunstanciais, que não merecem maiores preocupações. É preciso que o mundo veja por primeiro, estampada em seus jornais e revistas, fotos de crianças esqueléticas, olhos vidrados e bocas ressequidas, para se sensibilizarem um pouco mais e esboçarem alguma reação emergencial. Ora, o chamado Chifre da África, região compreendida pela Somália, Djibuti, Etiópia e Quênia, volta a figurar em nossos noticiários como vítima da maior epidemia de fome dos últimos sessenta anos. Está mais para chifre do Diabo, do que um simples desenho geográfico no mapa-mundi. Estima-se que mais de 560 mil pessoas possam morrer vitimadas pela maior atrocidade humana que o mundo permite acontecer, pois não se concebe num mundo globalizado a existência desse tipo de morte. A fome é o lado mais atroz da indiferença e egoísmo humano. Fossem estes membros de uma sociedade melhor estruturada no meio produtivo já teríamos enviados toneladas de alimentos ou mesmo manifestados com mais eficiência nossa solidariedade e ajuda fraterna. Mas são povos tribais, negros, sem cultura, sem qualificações que nos interessem, sem… A persistir esse indiferentismo, temo pela justiça que vem do alto. Enquanto humanos somos, nada justifica a morte de um único semelhante porque lhe falta o pão de cada dia. Mais ainda quando este sobra na mesa farta de muitos. Sabemos que humanidade subentende seres inteligentes e capazes de superar os maiores desafios possíveis para preservação da vida, da espécie, de todo e qualquer direito fundamental de sua própria individualidade. Fome justificável só a de Deus, a maior e mais bela das necessidades humanas. Sede só aquela que não saciamos nunca pelo desejo de perfeição, de novos conhecimentos. Morrer de fome ou de sede é crime de genocídio. Todos nós teremos culpa no cartório do Pai, pois é este um pecado social. Enquanto isso, no Brasil se discute a prática de infanticídio indígena. Esse acontece em algumas tribos brasileiras, quando a criança nasce com alguma deficiência física, quando é filha de mãe solteira ou mesmo pelo simples fato de ser gêmeo. A Câmara esvaziou o projeto da Lei Muwaji (nome da índia que salvou sua filha da morte por possuir paralisia cerebral) que tentava responsabilizar servidores públicos e a própria FUNAI por não impedirem esse macabro ritual indígena, praticado por algumas tribos ainda arredias da civilização brasileira. Mas é exatamente de um sobrevivente dessa prática, o índio Edson Bakairi, que quando criança foi enterrado vivo e salvo por agentes indigenistas, que vem o grito de socorro: “Somos índios, somos cidadãos brasileiros!… Manifestamos nosso repúdio à prática do infanticídio e a maneira irresponsável e desumana com que essa questão vem sendo tratada pelos Órgãos Governamentais. Não aceitamos os argumentos antropológicos baseados no relativismo cultural. Não aceitamos o infanticídio como prática cultural justificável”… Tanto lá, como cá, a morte de crianças inocentes, pela fome ou pela perversidade de algumas culturas, é um termômetro inquestionável da animalesca ignorância humana. Esta que demonstra com clareza a pior das fomes, a falta de Deus. Esta que aproxima o humano de sua mais vil identidade, o animal que somos. Então, tanto lá, como cá, o chifre do Diabo faz jus a todos, pois ilustra perfeitamente o lado caricato de uma humanidade sem um mínimo de respeito à vida. E dizemos ser esta um direito humano! WAGNER PEDRO MENEZES wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem