Papa pede humildade aos padres

Realizou-se na manhã desta quinta-feira, na Sala Paulo VI, no Vaticano, o tradicional encontro quaresmal de Bento XVI com os párocos romanos. O Pontífice fez uma lectio divina centralizada no capítulo quarto da Carta de São Paulo aos Efésios. O Papa exortou os sacerdotes a serem humildes e a não cederem às opiniões do mundo. É o Bispo de Roma que encontra os párocos de sua diocese. De fato, trata-se de um evento tradicional que se realiza todos os anos no início do período quaresmal, que sempre sabe oferecer aos sacerdotes uma ocasião de renovação na fé. Bento XVI expressou toda a sua alegria ao ver tantos párocos reunidos, definiu-os “um forte exército de Deus” pronto para as batalhas do nosso tempo. Depois, seguindo o texto da Carta paulina, deteve-se sobre o chamado ao sacerdócio: “O grande sofrimento da Igreja de hoje na Europa e no Ocidente é a falta de vocações sacerdotais, mas o Senhor chama sempre, falta a escuta.” Eis porque – acrescentou – “devemos estar atentos à voz do Senhor” e ser capazes de aceitar esse chamado. Em seguida, o Papa ressaltou que ser fiéis ao chamado do Senhor implica viver virtudes necessárias, em particular a humildade, a mansidão e a magnanimidade. O Santo Padre deteve-se, sobretudo, sobre a humildade. Ser cristão significa superar a “tentação original”, a soberba que é “a raiz de todos os pecados” – disse. Foram palavras acompanhadas de uma premente exortação: “Aceitar isso, aprender isso e assim aprender, aceitar a minha posição na Igreja, o meu pequeno serviço como grande aos olhos de Deus. E justamente essa humildade, esse realismo nos torna livres.” O Pontífice reiterou que da falta de humildade deriva também a divisão da Igreja. Se não somos humildes – advertiu – somos também divididos: “A ausência da humildade destrói a unidade; a humildade é uma virtude fundamental da unidade e somente assim cresce a unidade do Corpo de Cristo: somente assim tornamo-nos realmente unidos e recebemos nós a riqueza e a beleza da unidade.” Outro grande problema da Igreja atual – prosseguiu – é a falta de conhecimento da fé, é “o analfabetismo religioso”: “…e com esse analfabetismo não podemos crescer, a unidade não pode crescer. Por isso devemos nós mesmos apropriar-nos novamente desse conteúdo como riqueza da unidade, e não como um pacote de dogmas e de mandamentos, mas como uma realidade única que se revela na sua profundidade e beleza.” Daí, a importância do Ano da Fé, disse o Pontífice fazendo votos de uma renovação catequética a fim de que a fé “seja conhecida”, Cristo “seja conhecido”. Em seguida, Bento XVI criticou aqueles teólogos segundo os quais Deus não seria onipotente porque existe o mal no mundo. “No final – observou – a força do mal desaparece, somente Deus permanece”, essa é a nossa esperança: “Que a luz vence, o amor vence”. O Papa reiterou que os cristãos não são violentos e que não se pode relacionar a defesa da verdade ao recurso à violência. Na parte conclusiva da lectio divina, o Pontífice observou que nestes últimos dez anos se recorreu à fórmula “fé adulta”, para dizer “emancipada” do Magistério da Igreja: “Mas o resultado não é uma fé adulta, o resultado é a dependência das ondas do mundo, das opiniões do mundo, da ditadura dos meios de comunicação, da opinião que todos têm e querem. Não é verdadeira emancipação.” O Santo Padre observou que a verdadeira emancipação é, ao invés, justamente libertar-se dessa “ditadura” das opiniões do mundo. Somente “na liberdade dos Filhos de Deus que creem juntos no Corpo de Cristo” somos verdadeiramente livres e capazes de responder aos desafios do nosso tempo – concluiu. Durante o encontro Bento XVI entregou aos párocos o texto intitulado “Escolhido por Deus para os homens”, publicado pelas Edições Paulinas com uma apresentação do Cardeal Vigário do Papa para a Diocese de Roma Agostino Vallini. Trata-se – disse o purpurado – de uma “regra de vida”, fruto do Ano Sacerdotal. Um traço espiritual, um guia ideal oferecido a todos os sacerdotes romanos “a fim de que cresçam na alegria da vocação comum e na unidade do sacerdócio”. (RL)

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem