Papa visitará Aparecida no dia 24

 Contagem regressiva para a 28ª Jornada Mundial da Juventude, edição esta a realizar-se no Rio de Janeiro de 23 a 28 de julho com o tema “Ide e fazei discípulos entre todas as nações”.Para o Papa Francisco trata-se da primeira viagem apostólica internacional, que terá como momento inicial a visita ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, nossa padroeira.Justamente em Aparecida, em 2007 – após a visita do Papa Bento XVI –, o então Cardeal Bergoglio presidiu o comitê de redação do documento final da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe.Foram dois papas que antes de Francisco ali homenagearam a padroeira do Brasil: João Paulo II em 1980 e Bento XVI em 2007. O Papa inaugurou ali a “Conferência de Aparecida”, dando indicações fortes para o documento final cuja redação, de fato, teve no então Arcebispo de Buenos Aires seu principal responsável.Bento XVI encontrava-se em sua primeira viagem intercontinental, como o será para o Papa Francisco.”Partirei daqui a oito dias – disse Francisco no Angelus de domingo passado –, mas muitos jovens partirão antes para o Brasil. Rezemos, então, por esta grande peregrinação que começa, a fim de que Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, guie os passos dos participantes e abra seus corações ao acolhimento da missão que Cristo lhes dará.”De fato, no Angelus deste domingo o Santo Padre colocou a JMJ sob a proteção da Virgem Maria. É em seu rosto que os discípulos missionários encontram a ternura de Deus – lê-se no Documento de Aparecida.Referindo-se a este grande evento eclesial de 2007 celebrado no Brasil, o Cardeal Bergoglio dizia que a Conferência de Aparecida foi “um momento de graça para a Igreja latino-americana” e definira o Documento de Aparecida como a Evangelii nuntiandi da América Latina.Relendo hoje este documento, encontram-se muitas linhas mestras do Pontificado de Francisco: a missionariedade da Igreja e de todo o Povo de Deus, a forte proposta do Evangelho como caminho rumo à vida verdadeira, bem como a “doce e confortadora alegria de evangelizar”.Numa homilia de 16 de maio de 2007, por ocasião da Conferência de Aparecida, o futuro Pontífice recorria à expressão “periferias existenciais” nas quais é preciso evangelizar porque – afirmava – é na dor, no desconhecimento de Deus por parte de tantas pessoas, na injustiça e na solidão que o Espírito de Jesus sopra mais forte. (RL)


Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2013/07/16/francisco_no_brasil:_papa_visitar%C3%A1_santu%C3%A1rio_nacional_de_aparecida_na/bra-711038
do site da Rádio Vaticano

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem