Para onde vais?

PARA ONDE VAIS?Quem chega ao Vaticano pela primeira vez é logo atraído pelo desejo de visitaro túmulo do apóstolo Paulo. Se lhe for possível esse privilégio, terá à frente uma lápidebem gasta pelo tempo, onde ainda se pode ler uma inscrição latina quase imperceptívelaos olhos: Quo vadis? Ali, segundo a tradição, repousa “a pedra” sobre a qual,literalmente, Cristo construiu sua Igreja.Mas a história que circunda a mais emblemática pergunta da fé cristã continua afazer eco em muitos corações de pedra: Para onde vais? Quando o imperador Nerodesencadeou a mais sangrenta perseguição aos cristãos, depois do incêndio criminosode Roma em 64 D.C., quase alcançou êxito em seu objetivo de exterminá-los da face daTerra. Enquanto milhares morriam no Circo de Nero (que ocupava uma das colinas dosarredores de Roma, conhecida como Colina do Vaticano) milhares de convertidos sedeixavam batizar por Pedro nas catacumbas circunvizinhas. O sangue dos mártires erasempre semente fecunda de novos cristãos.Um dia, depois de acirrada perseguição, os poucos cristãos ainda livres, sentiramque a vida de Pedro corria perigo. Aconselharam-no a fugir, pois seu apostolado seriaimportante em outras regiões, onde a Verdade de Cristo poderia sobreviver sem tantashumilhações quanto as que sofriam em Roma. Com muita relutância, Pedro cedeu. Namadrugada seguinte, acompanhado por um jovem cristão, mal iniciou sua fuga e viudiante de si o Cristo e sua cruz. As sombras da muralha do grande circo não encobriramo assombro de sua fisionomia sofredora, mas a pergunta surgiu instantaneamente: “Quovadis, Domine?” Nada envergonharia mais o apóstolo do que aquela resposta sucinta elógica: “Vou a Roma, para ser crucificado novamente”.Compreendeu Pedro que sua missão estava ali, que nada justificaria sua fuga,que seu martírio seria o exemplo mais contumaz para atrair novos cristãos, que a“cidade de Deus” deveria renascer das cinzas daquela cidade pagã. Ali seria seu lugar,ali plantaria os fundamentos da Igreja desejada por Cristo!Curiosamente, Vaticano, o monte onde milhares de cristãos deram a vida emnome da fé, tinha uma etimologia que lembrava um deus etrusco, significando “aqueleque abre a boca às crianças, para proferirem os primeiros sons”. No seu circo, duranteos espetáculos, um só som se ouvia na boca dos perseguidos: Jesus! Pedro prosseguiuem sua missão “no covil das feras”, proclamando com mais destemor a verdade quemovia sua existência, até ser preso e condenado. Não aceitou ser crucificado comoCristo – não era digno de tamanha honra – mas de cabeça pra baixo. Foi um dos últimosa servir de espetáculo naquela colina outrora símbolo das maiores depravaçõeshumanas.As muralhas do grande circo ruíram por completo. Dele, hoje, só nos resta oobelisco de granito roubado por Calígula para decorar o centro do grande picadeiro.Tornou-se marco da grande praça, onde hoje o mundo todo encontra refúgio pararenovar sua fé. Pedro morreu ali. Pedro repousa ao lado. Sua cátedra de fé e esperançasubsiste a dois mil anos, em meio a tantas contradições e violações aos mais sagradosdireitos que a dignidade humana ainda exige. O circo de Roma encerrou seusespetáculos para ceder espaço a um projeto mais sério e promissor, os fundamentos dafé cristã. Por isso, o nome “Vaticano” não é uma denominação vazia de sentido, dehistória, de tradição e projeto divinos… Antes, nasce da boca de um pregadordestemido, que compreendeu como ninguém onde deveria estar e como deveria agir emnome de Cristo. Diria: “Achegai-vos a ele, pedra viva que os homens rejeitaram, masescolhida e preciosa aos olhos de Deus; e quais outras pedras vivas, vós também vostornais os materiais deste edifício espiritual”… (1 Ped 2,4,5).WAGNER PEDRO MENEZES wagner@meac.com.br Quem chega ao Vaticano pela primeira vez é logo atraído pelo desejo de visitar o túmulo do apóstolo Pedro. Se lhe for possível esse privilégio, terá à frente uma lápide bem gasta pelo tempo, onde ainda se pode ler uma inscrição latina quase imperceptível aos olhos: Quo vadis? Ali, segundo a tradição, repousa “a pedra” sobre a qual, literalmente, Cristo construiu sua Igreja. Mas a história que circunda a mais emblemática pergunta da fé cristã continua a fazer eco em muitos corações de pedra: Para onde vais? Quando o imperador Nero desencadeou a mais sangrenta perseguição aos cristãos, depois do incêndio criminoso de Roma em 64 D.C., quase alcançou êxito em seu objetivo de exterminá-los da face da Terra. Enquanto milhares morriam no Circo de Nero (que ocupava uma das colinas dos arredores de Roma, conhecida como Colina do Vaticano) milhares de convertidos se deixavam batizar por Pedro nas catacumbas circunvizinhas. O sangue dos mártires era sempre semente fecunda de novos cristãos. Um dia, depois de acirrada perseguição, os poucos cristãos ainda livres, sentiram que a vida de Pedro corria perigo. Aconselharam-no a fugir, pois seu apostolado seria importante em outras regiões, onde a Verdade de Cristo poderia sobreviver sem tantas humilhações quanto as que sofriam em Roma. Com muita relutância, Pedro cedeu. Na madrugada seguinte, acompanhado por um jovem cristão, mal iniciou sua fuga e viu diante de si o Cristo e sua cruz. As sombras da muralha do grande circo não encobriram o assombro de sua fisionomia sofredora, mas a pergunta surgiu instantaneamente: “Quo vadis, Domine?” Nada envergonharia mais o apóstolo do que aquela resposta sucinta e lógica: “Vou a Roma, para ser crucificado novamente”. Compreendeu Pedro que sua missão estava ali, que nada justificaria sua fuga, que seu martírio seria o exemplo mais contumaz para atrair novos cristãos, que a “cidade de Deus” deveria renascer das cinzas daquela cidade pagã. Ali seria seu lugar, ali plantaria os fundamentos da Igreja desejada por Cristo! Curiosamente, Vaticano, o monte onde milhares de cristãos deram a vida em nome da fé, tinha uma etimologia que lembrava um deus etrusco, significando “aquele que abre a boca às crianças, para proferirem os primeiros sons”. No seu circo, durante os espetáculos, um só som se ouvia na boca dos perseguidos: Jesus! Pedro prosseguiu em sua missão “no covil das feras”, proclamando com mais destemor a verdade que movia sua existência, até ser preso e condenado. Não aceitou ser crucificado como Cristo – não era digno de tamanha honra – mas de cabeça pra baixo. Foi um dos últimos a servir de espetáculo naquela colina outrora símbolo das maiores depravações humanas. As muralhas do grande circo ruíram por completo. Dele, hoje, só nos resta o obelisco de granito roubado por Calígula para decorar o centro do grande picadeiro. Tornou-se marco da grande praça, onde hoje o mundo todo encontra refúgio para renovar sua fé. Pedro morreu ali. Pedro repousa ao lado. Sua cátedra de fé e esperança subsiste a dois mil anos, em meio a tantas contradições e violações aos mais sagrados direitos que a dignidade humana ainda exige. O circo de Roma encerrou seus espetáculos para ceder espaço a um projeto mais sério e promissor, os fundamentos da fé cristã. Por isso, o nome “Vaticano” não é uma denominação vazia de sentido, de história, de tradição e projeto divinos… Antes, nasce da boca de um pregador destemido, que compreendeu como ninguém onde deveria estar e como deveria agir em nome de Cristo. Diria: “Achegai-vos a ele, pedra viva que os homens rejeitaram, mas escolhida e preciosa aos olhos de Deus; e quais outras pedras vivas, vós também vos tornais os materiais deste edifício espiritual”… (1 Ped 2,4,5). WAGNER PEDRO MENEZES wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

É BOM ESTARMOS AQUI

Algo que dá sentido à vida humana é a compreensão de quanto esta é bela. Melhor ainda quando essa descoberta vem acompanhada por uma revelação

AMIZADE E FRATERNIDADE

Parece-me um tanto forçado o termo Amizade Social num contexto de fraternidade cristã. Porque a boa notícia que nos trouxe os Evangelhos é exatamente o

AUDIÊNCIA GERAL 14/02/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 8. A acídia

 A CRENÇA NOS MILAGRES

É impressionante, mas bem antes de Jesus, desde sempre e até os dias atuais, basta um farfalhar, um burburinho qualquer anunciando milagres… lá está o

Enviar Mensagem