REGINA CAELI 14/05/23

Estimados irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho de hoje, sexto domingo da Páscoa, fala-nos do Espírito Santo, a quem Jesus chama Paráclito. Paráclito é uma palavra que vem do grego e significa, ao mesmo tempo, consolador e advogado. Isto é, o Espírito Santo nunca nos deixa sozinhos, está ao nosso lado, como um advogado que assiste o réu, estando ao seu lado. E sugere-nos a forma de nos defendermos perante aqueles que nos acusam. Lembremo-nos de que o grande acusador é sempre o demónio, que coloca os pecados dentro de nós, o desejo de pecar, a maldade. Reflitamos sobre estes dois aspectos: a sua proximidade a nós e a sua ajuda contra aqueles que nos acusam.

A sua proximidade: o Espírito Santo, diz Jesus, permanece convosco e está em vós. Nunca nos abandona. O Espírito Santo quer estar conosco: não é um hóspede de passagem que vem fazer-nos uma visita de cortesia. É um companheiro de vida, uma presença estável, é Espírito e deseja habitar no nosso espírito. É paciente e fica conosco inclusive quando caímos. Fica porque nos ama verdadeiramente: não finge que nos ama e depois deixa-nos sozinhos nas dificuldades. Não. É leal, é transparente, é autêntico.

Aliás, quando nos encontramos na provação, o Espírito Santo consola-nos, trazendo-nos o perdão e a força de Deus. E quando nos confronta com os nossos erros e nos corrige, fá-lo com gentileza: na sua voz que fala ao coração há sempre o timbre da ternura e o calor do amor. Certamente, o Espírito Paráclito é exigente, porque é um amigo verdadeiro, fiel, que nada esconde, que nos sugere o que mudar e como crescer. Mas, quando nos corrige, nunca nos humilha nem infunde desconfiança; ao contrário, transmite-nos a certeza de que com Deus podemos vencer, sempre. Esta é a sua proximidade. É uma bonita certeza!

Segundo aspecto, o Espírito Paráclito, é o nosso advogado e defende-nos. Defende-nos diante daqueles que nos acusam: diante de nós mesmos, quando não nos amamos e não nos perdoamos, até ao ponto de nos dizer que somos fracassados e inúteis; diante do mundo, que descarta quem não corresponde aos seus esquemas e modelos; diante do demónio, que é por excelência o “acusador” e o divisor e faz de tudo para que nos sintamos incapazes e infelizes.

Perante todos estes pensamentos acusadores, o Espírito Santo sugere-nos como devemos reagir. De que modo? O Paráclito é aquele que nos recorda tudo o que Jesus nos disse. Por isso, recorda-nos as palavras do Evangelho e permite que respondamos ao demónio acusador não com as nossas palavras, mas com as palavras do Senhor. Sobretudo, recorda-nos que Jesus falou sempre do Pai que estás nos céus, fez com que o conhecêssemos e revelou-nos o seu amor por nós, que somos seus filhos. Se invocarmos o Espírito, aprendemos a acolher e a recordar a realidade mais importante da vida, que nos protege das acusações do mal. E qual é essa realidade mais importante da vida? O facto de sermos filhos amados de Deus. Somos filhos amados de Deus: esta é a realidade mais importante, e o Espírito recorda-nos isso.

Irmãos e irmãs, perguntemo-nos hoje: invocamos o Espírito Santo, rezamos-lhe com frequência? Não nos esqueçamos d’Aquele que está perto de nós, aliás, dentro de nós! E depois, escutamos a sua voz, quando nos encoraja e quando nos corrige? Respondemos com as palavras de Jesus às acusações do mal, aos “tribunais” da vida? Lembramo-nos de que somos filhos amados de Deus? Que Maria nos torne dóceis à voz do Espírito Santo e sensíveis à sua presença.

Depois do Regina Caeli*

Prezados irmãos e irmãs!

Nos últimos dias assistimos novamente a confrontos armados entre israelianos e palestinianos, nos quais perderam a vida pessoas inocentes, incluindo mulheres e crianças. Espero que a trégua que acaba de ser alcançada se torne estável, que as armas se calem, porque com as armas nunca se conseguirá a segurança e a estabilidade, pelo contrário, continuarão a destruir qualquer esperança de paz.

Saúdo de coração todos vós, romanos e peregrinos da Itália e de muitos países, especialmente os fiéis provenientes do Canadá, de Singapura, da Malásia e da Espanha.

Saúdo os Responsáveis da Comunidade de Santo Egídio provenientes de 25 países africanos, bem como as autoridades e os professores da Universidade de Radom, na Polônia. Saúdo a Caritas Internationalis, que se reuniu e elegeu um novo presidente. Em frente, com coragem, no caminho da reforma!

Saúdo os fiéis de Scandicci e os de Torrita di Siena; os jovens do Decanato de Appiano Gentile, os Escuteiros Agesci de Alghero e os jovens de Senigallia; o Instituto escolar “João XXIII” de Cammarata; e os participantes na corrida de revezamento solidária a favor da Fundação para a Investigação do Cancro.

Hoje, o Dia da Mãe é celebrado em muitos países; recordemos com gratidão e afeto todas as mães, as que ainda estão entre nós e as que já foram para o céu. Confiamo-las a Maria, a mãe de Jesus. E um grande aplauso!

Dirigimo-nos a ela pedindo que alivie o sofrimento da martirizada Ucrânia e de todas as nações feridas por guerras e violências.

Desejo a todos bom domingo. E saúdo os jovens da Imaculada, que são corajosos. Por favor, não vos esqueçais de rezar por mim. Bom almoço e até à vista!

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem