REGINA CAELI 28/05/23

Estimados irmãos e irmãs, bom dia!
Hoje, Solenidade de Pentecostes, o Evangelho leva-nos ao Cenáculo, onde os apóstolos se
tinham refugiado depois da morte de Jesus (Jo 20, 19-23). O Ressuscitado, na noite de Páscoa,
apresenta-se precisamente naquela situação de medo e angústia e, soprando sobre eles, diz:
«Recebei o Espírito Santo» (v. 22). Assim, com o dom do Espírito, Jesus quer libertar os
discípulos do medo, este medo que os mantém fechados em casa, e liberta-os para que possam
sair e tornar-se testemunhas e anunciadores do Evangelho. Reflitamos um pouco sobre aquilo
que o Espírito faz: liberta do medo.

Os discípulos tinham fechado as portas, diz o Evangelho, «por temor» (v. 19). A morte de Jesus
tinha-os perturbado, os seus sonhos tinham sido desfeitos, as suas esperanças tinham
desaparecido. E fecharam-se em si mesmos. Não apenas naquela sala, mas dentro, no coração.
Gostaria de sublinhar este facto: fechados dentro. Quantas vezes também nós nos fechamos em
nós mesmos? Quantas vezes, por causa de uma situação difícil, de um problema pessoal ou
familiar, do sofrimento que nos marca ou por causa do mal que respiramos à nossa volta, caímos
lentamente na perda da esperança e na falta de coragem para continuar? Muitas vezes isto
acontece. E então, como os apóstolos, fechamo-nos dentro, barricando-nos no labirinto das
preocupações.

Irmãos e irmãs, este “fecharmo-nos dentro” acontece quando, nas situações mais difíceis,
deixamos que o medo se apodere de nós e faça a “levante a voz” dentro de nós. Quando o medo
entra, fechamo-nos. A causa, portanto, é o medo: medo de não ser capaz de enfrentar, de estar
sozinho para enfrentar as batalhas diárias, de correr riscos e depois ficar desiludido, de fazer
escolhas erradas. Irmãos e irmãs, o medo bloqueia, o medo paralisa. E também isola: pensemos
no medo do outro, dos estrangeiros, dos diferentes, dos que pensam de forma diferente. E pode
até haver medo de Deus: que me castigue, que se ressinta de mim… Se dermos espaço a estes
falsos medos, as portas fecham-se: as do coração, as da sociedade e até as da Igreja! Onde há
medo, há fechamento. E isto não é bom.

Contudo, o Evangelho oferece-nos o remédio do Ressuscitado: o Espírito Santo. Ele liberta das
prisões do medo. Ao receberem o Espírito – que hoje celebramos – os apóstolos deixam o
cenáculo e saem pelo mundo para perdoar os pecados e anunciar a boa nova. Graças a Ele, os
receios são vencidos e as portas abrem-se. Pois é isto que o Espírito faz: faz-nos sentir a
proximidade de Deus e, assim, o seu amor afasta o temor, ilumina o caminho, consola, sustenta
na adversidade. Diante dos medos e dos fechamentos, invoquemos então o Espírito Santo para
nós, para a Igreja e para o mundo inteiro: a fim de que um novo Pentecostes afaste os receios
que nos assaltam e reacenda o fogo do amor de Deus.
Maria Santíssima, a primeira a ser repleta do Espírito Santo, interceda por nós.

Depois do Regina Caeli

Prezados irmãos e irmãs!

No passado dia 22 de maio celebrou-se o 150º aniversário da morte de uma das figuras mais
elevadas da literatura, Alessandro Manzoni. Ele, através das suas obras, foi um cantor das
vítimas e dos últimos: estes estão sempre sob a mão protetora da Providência divina, que «aterra
e desperta, aflige e consola»; e são sustentados também pela proximidade dos pastores fiéis da
Igreja, presentes nas páginas da obra-prima de Manzoni.
Convido-vos a rezar pelas populações que vivem na fronteira entre Myanmar e Bangladesh,
duramente atingidas por um ciclone: mais de oitocentas mil pessoas, além dos muitos Rohingya
que já vivem em condições precárias. Ao renovar a minha proximidade a estas populações, dirijome aos Responsáveis para que facilitem o acesso da ajuda humanitária e apelo ao sentido de
solidariedade humana e eclesial para socorrer estes nossos irmãos e irmãs.
Saúdo de coração todos vós, romanos e peregrinos da Itália e de muitos países, em particular os
fiéis do Panamá e a peregrinação da Arquidiocese de Tulancingo (México) que celebra Nuestra
Señora de los Angeles; bem como o grupo de Novellana (Espanha). Saúdo também os fiéis de
Celeseo (Pádua) e de Bari, e envio a minha bênção a quantos se reuniram na Policlínica Gemelli
para promover iniciativas de fraternidade com os doentes.

Na próxima quarta-feira, na conclusão do mês de maio, estão previstos momentos de oração nos
santuários marianos de todo o mundo para apoiar a preparação da próxima Assembleia Ordinária
do Sínodo dos Bispos. Peçamos à Virgem Maria que acompanhe com a sua proteção materna
esta importante etapa do Sínodo. E a Ela confiemos também o desejo de paz de tantas
populações do mundo inteiro, especialmente da martirizada Ucrânia.
Desejo a todos bom domingo. E, por favor, não vos esqueçais de rezar por mim. Bom almoço e
até à vista!

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

AUDIÊNCIA GERAL 28/02/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 9. A inveja

É BOM ESTARMOS AQUI

Algo que dá sentido à vida humana é a compreensão de quanto esta é bela. Melhor ainda quando essa descoberta vem acompanhada por uma revelação

AMIZADE E FRATERNIDADE

Parece-me um tanto forçado o termo Amizade Social num contexto de fraternidade cristã. Porque a boa notícia que nos trouxe os Evangelhos é exatamente o

AUDIÊNCIA GERAL 14/02/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 8. A acídia

Enviar Mensagem