SEGUNDA QUEDA DA BASTILHA

Desde 1789, 14 de Julho sempre foi lembrado pelos franceses como o dia do poder do povo nas ruas. É a grande celebração do início da Revolução Francesa, o maior evento da democracia da liberdade, igualdade e fraternidade, a grande bandeira que uma revolta popular hasteou sobre o mundo. Recorda a tomada de uma fortaleza medieval, onde os poderes da nobreza e burguesia guardavam armas e munições e mantinham prisioneiros os revoltosos do povo. Quase uma centena de populares deu a vida neste conflito. Tombaram sob a mira de canhões que os poderes de então julgaram por bem acionar contra aquela multidão de rebeldes. O povo conquistou a velha fortaleza. E venceu. A partir de 2016, 14 de Julho será lembrada como início de outra revolução, a segunda fortaleza medieval que cai. Desta feita, atropelados pelo fator surpresa, os populares que celebravam aquela gloriosa insurreição contra a tirania, não tombaram em vão. Sua também quase centena de mortos, além de outro tanto de feridos, dá início a uma nova revolução. Agora, a indignação mundial contra a intolerância religiosa já não é uma bandeira de guerra, mas de paz; de busca imediata dessa paz que só um sentimento verdadeiramente religioso pode oferecer ao mundo. Iniciou-se a revolução da liberdade contra a prisão medieval da fé bitolada, da igualdade contra o desumano desnível do torpe radicalismo religioso, da fraternidade contra qualquer princípio de egoísmo cego. Está em curso a maior revolta humana contra a mais torpe das fortalezas, aquela que ainda estoca as munições da ignorância e distorção religiosa. Para nós cristãos chegou a hora da verdade. O que se levanta contra nossa fé não é um ato isolado de ameaça à nossa integridade física, mas uma guerra surda, porém previsível, do Mal contra o Bem. Chegou a hora da batalha. O crucial momento de nos municiarmos com os escudos da fé e derrubarmos as fortalezas da intolerância e da incompreensão de muitos. Mais do que nunca, nossa resistência é imprescindível. Mais do que nunca, precisamos buscar as coisas do alto, aquilo que nos fortalece espiritualmente, para vencer as ameaças do fanatismo, do radicalismo. “Pensem nas coisas do alto, e não nas coisas da terra” (Col 3, 2). Vingança e ódio não são armas cristãs. “Façam morrer aquilo que em vocês pertence à terra… Outrora, também vocês eram assim, quando viviam entre eles. Agora, porém, abandonem tudo isso: ira, raiva, maldade, maledicência e palavras obscenas, que saem da boca de vocês” (Col 3, 5…8) Ou seja, não nos igualemos à baixeza do Inimigo, mas recorramos à arma da fé plena, aquela que nos aponta outra realidade, outro mundo. Este, sim, mais afeito à bandeira que defendemos, aquela cujo estandarte exibe uma cruz, um sinal de morte, mas também de vitória, ressurreição. A queda da Bastilha deixou de ser uma conquista francesa. Agora é um desafio cristão. Vencer o terrorismo que nos afronta, mais que questão de fé, é também princípio de sobrevivência. Está em jogo um futuro. Ser este de paz ou guerra vai das armas que usarmos, da munição que nos sobra. Como cristãos – primeiros alvos desse conflito – nos sobra o desafio da contradição, ou seja, não revidar. Nem compactuar. “O momento certo ainda não chegou par mim. Para vocês, qualquer momento é bom. O mundo não tem motivo para odiar vocês. Mas o mundo me odeia, porque eu dou testemunho de que suas ações são más” (Jo 7, 6-7). Chegou a hora da verdade. Esse momento ainda há de ser bom, visto a oportunidade de uma segunda Bastilha. Estamos iniciando a Revolução de Cristo. WAGNER PEDRO MENEZES wagner@meac.com.br Comentário do Fonseca: Caro Wagner, Seus afetos nos afeta em cheio. Somos amor, nunca ódio.Somos responsaveis pelos medos uns dos outros. Hoje são os franceses, amanhã pode ser brasileiros. Conta-se, que certa vez, um ratinho camundongo que vivia numa fazenda foi compartilhar com seus semelhantes um “probleminha novo”, pequeno, mas que causava muito medo a ele. A dona da Fazenda tinha comprado uma ratoeirinha nova. Ele, olhando para aquele “tanque de guerra” foi queixar-se e pedir ajuda para a Galinha, o porco e o boi. A galinha disse: Ratoeira é coisa que incomoda rato, eu sou galinha e durmo muito bem no meu puleiro, não tenho nenhum medo. O porco tambem argumentou que pisaria na ratoeira com a unha sem medo nenhum, O boi disse que daria uma chifrada no problema e resolveria a patadas. Certa noite, a ratoeira disparou e tec.Tecnologia em ação.A dona da Fazenda vibrou com sua armadilha e levantou da cama pe ante pé para ver a desgraça do ratinho morto. Enganou-se: Era uma cobra cascavel que ferida no rabo deu o bote certeiro na mulher e a feriu mais que sua própria astúcia. O Marido foi chamado e a levou para a cidade que devido a distancia e a falta de soro antiofídico complicou a situação da mulher. Ela foi medicada tardiamente e enviada para casa para convalescer. Logo, o fazenderto viu a necessidade de arrumar uma canja de galinha para ir alimentando a paciente. Nos dias seguintes foram aparecendo os vizinhos para solidarizar-se com o fato e necessario se tornou matar o porco para servir a mais gente. Finalmente a mulher morreu e para o velório foi necessario matar o boi para alimentar tanta gente. A morte cobra de todos…É bom ficar esperto e dar atenção para os pequenos alertas das PALAVRAS DE ESPERANÇA… Abraço, J.A Fonseca Comentário do Wagner: Fonseca: Seu comentário está melhor do que o artigo. Quando o recebi, estava ao meu lado um padre muito amigo, que leu e se recordou de versão quase semelhante dessa história. Começamos a refleti-las e ele se emocionou, pois sua opção de vida sacerdotal foi de abandonar tudo, inclusive a paróquia, e viver recluso numa capela rural semi abandonada, sem carro, sem bens materiais, sem salário, apenas confiando na providência divina e vivendo em oração 24 horas. É um santo que temos por aqui. Disse-me que essa sua “história” também o inspirou nessa vida de eremita e que hoje devemos priorizar “as coisas do alto”, se quisermos sobreviver às coisas do mundo. Veja como o Espírito Santo atua e coloca pessoas ao nosso lado no momento exato e com palavras especiais, como essas que você nos mandou “gratuitamente”.

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem