Ser dizimista é partilhar o que Deus nos dá

Jesus Cristo e São Paulo sempre disseram que há mais alegria em dar do que em receber, pois a felicidade consiste na partilha. Devemos partilhar o que temos, aquilo que nos foi dado por Deus. É esta orientação que deve motivar os católicos a participarem do dízimo. Mas para partilhar, devemos entender que isto não significa dar aquilo que não queremos mais. “Partilhar não é dar o que sobra, mas dar o que o outro precisa”, ensina o integrante do MEAC (Missionários para Evangelização e Animação de Comunidades), Enio Felipin. Quando palestrou ao clero da Diocese no ano passado, Felipin relatou que é comum as pessoas afirmarem que muitas vezes não devolvem o dízimo porque não sobrou dinheiro no mês. “Deus merece a sobra?”, questiona o missionário. Não há uma quantia certa a ser dada como dízimo. São Paulo, na segunda Carta aos Coríntios, diz que cada um deve devolver segundo o que se propôs no seu coração. “Dízimo não arde no bolso, dízimo arde no coração e na consciência de cada um de nós”, afirma Felipin. Ele explica que é a própria palavra de Deus que orienta a devolução do dízimo, baseada em dois pilares: o louvor a Deus com os nossos bens e a ajuda aos mais necessitados. Desta forma, o dízimo tem uma relação direta para com Deus e uma relação direta para com a humanidade. A relação para com Deus: “Honra o Senhor com teus haveres, e com as primícias de todas as tuas colheitas. Então, teus celeiros se abarrotarão de trigo e teus lagares transbordarão de vinho.” Este trecho do livro dos Provérbios, segundo Enio Felipin, aponta um pedido e uma promessa de Deus em relação ao dízimo. Honrar a Deus com nossos bens é reconhecer que Deus tem parte naquilo que nós ganhamos. “Nós louvamos a Deus com os nossos bens quando nós reconhecemos que não somos donos absolutos de tudo. Este reconhecimento vai acontecer no momento em que nós devolvermos o dízimo”, orienta o missionário. Ele destaca que para muitos católicos o dízimo é um peso nos ombros. “Mas pela palavra de Deus, ele é um canal extraordinário de graças, que nós devemos cada vez mais compreender e descobrir.” A relação para com a comunidade: Através do livro do Deuteronômio (Dt 14, 28 – 29), Deus nos pede que reservemos uma parte da nossa renda para ajudar aqueles que mais necessitam, como o estrangeiro, o órfão e a viúva. “Aqui está a relação direta do dízimo para com a comunidade, para com os irmãos, porque o dízimo também tem como função ajudar os mais necessitados da comunidade.” Em resumo: “Dízimo não é esmola, é um gesto de gratidão a Deus (Pr 3, 9) e de amor aos irmãos (Dt 14, 29). Tudo o que temos vem de Deus (Gn 1, 1). Por isso, saibamos repartir com quem não tem (At 4,34).”

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem