UM ESTRANHO E O SAMARITANO

O segundo capítulo da encíclica sobre a amizade e a fraternidade social, que desafia o mundo a experimentar “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo (56)” tem por base a mais enigmática das parábolas que o Mestre nos contou. A história do Bom Samaritano “é expressa de tal maneira que qualquer um de nós pode deixar-se interpelar por ela (id)”, independentemente das suas convicções religiosas, diz o Papa.

O desafio da mensagem está na conclusão do evangelista que a pormenorizou: “Vai e faz tu também o mesmo” (Lc 10, 25-37), depois da grande pergunta comum a qualquer ser humano: “Mestre, que hei de fazer para possuir a vida eterna”. Francisco nos lembra ser esta a perspectiva de fundo dos grandes dilemas existenciais e cita o sábio Hillel, cujo preceito está bem formulado em Mateus (7,12): “O que quiserdes que vos façam os homens, fazei-o também a eles, porque isto é a Lei e os Profetas”. A história hebraica nos fornece esse apelo de fraternidade. “Como motivo para alargar o coração a fim de não excluir o estrangeiro, invoca-se a memória que o povo judeu conserva de ter vivido como estrangeiro no Egito (61)”. As cicatrizes do passado lembram suas dores e estas reascendem com desejos de vingança.

“Foi por alguma razão que, perante tentação das primeiras comunidades cristãs criarem grupos fechados e isolados, São Paulo exortava os seus discípulos a ter caridade uns para com os outros ‘e para com todos’ (62)”, pois a fé cristã exige a abertura para o mundo, porque “ao amor não lhe interessa se o irmão ferido vem daqui ou dacolá”. Perder tempo com o decaído, o marginalizado, o ferido na estrada não é uma tarefa que agrada. Antes, “não queremos perder tempo por culpa dos problemas alheios (65)” e aí está uma história que se repete em qualquer sociedade, independentemente de sua fé. “Hoje, há cada vez mais feridos. A inclusão ou exclusão da pessoa que sofre na margem da estrada define todos os projetos econômicos, políticos, sociais e religiosos (69)”. Aqui Francisco coloca o dedo na ferida de todos nós. E sentencia: “Nos momentos de crise, a opção torna-se premente; poderíamos dizer que, neste momento, quem não é salteador e quem não passa ao largo, ou está ferido ou carrega aos ombros algum ferido (70)”.

Mas acontece que apenas um, representante de um povo estigmatizado e também sofredor, se dispôs a ajudar. “O paradoxo é que, às vezes, quantos dizem que não acreditam podem viver melhor a vontade de Deus do que os crentes (74)”. Eis nosso dilema. “Ao engano de que ‘tudo está mal’ corresponde o dito ‘ninguém o pode consertar’ (75)”. Isso é o que chamamos de politicagem dos acomodados. “Deixemos que outros continuem a pensar na política ou na economia para os seus jogos de poder. Alimentemos o que é bom, e coloquemo-nos ao serviço do bem (77)”. Aqui Francisco desafia o mundo a construir uma corrente de Amor. “Mas que não o façamos sozinhos, individualmente, pois “nós estamos chamados a convidar outros e a encontrar-nos num ‘nós’ mais forte do que a soma de pequenas individualidades (78)”.
 
“Jesus propôs esta parábola para responder a uma pergunta: ‘Quem é o meu próximo?’ (Lc 10,29). A palavra ‘próximo’ na sociedade do tempo de Jesus costumava indicar a pessoa que está mais vizinha, mais próxima. Um samaritano “não estava incluído entre o próximo a quem se deveria ajudar (80)” Essa atitude de exclusão social é o mal maior das sociedades que se dizem progressistas, dinâmicas, modernas. Até a comunidade cristã já agiu assim, quando se beneficiou do sistema escravocrata e “várias formas de violência” para impor a fé. Muitos religiosos ainda passam ao largo sem um “mea culpa” para “amar e acolher a todos (86)”

WAGNER PEDRO MENEZES
wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem