UMA ASSEMBLEIA DE LOUCOS

Dizem que quando um louco encontra outro imediatamente começam a discutir o sexo dos anjos ou o quadrante da roda. Nessa assembleia, mais trivial do que se imagina, é que se prova não serem tão insanos assim, pois os maiores inventores ou místicos da história foram sempre considerados loucos pela sociedade onde atuavam. Sem estes, o mundo não seria o que hoje é. Mas o assunto é outro. Falo do grupo de loucos do qual faço parte. Leigos metidos a padres, que encontraram na Igreja uma oportunidade de também evangelizar. Como cunha na madeira bruta, foram ocupando espaço, penetrando, abrindo o caminho, rachando a lenha para a fogueira. Nesta semana, em São Paulo, realizaram sua 44ª. Assembleia anual. Falo do MEAC, Missionários para Evangelização e Animação de Comunidades. Portanto, há quarenta e quatro anos esse grupo de loucos se faz presente na história da Igreja, não só no Brasil, mas também chegando agora a outros países, alguns até já constituindo novos grupos para seguir seus passos. Moçambique e Guiné Bissau, por exemplo, já foram contaminados por esse bando de loucos, e possuem lá núcleos tão ardorosamente missionários quanto o nosso. No Brasil, oficialmente, chegamos a cem missionários, espalhados de norte a sul, de Manaus a Ijuí, RS, de Dias D´ávila, BA, a Assis, SP, passando por Feira de Santana, São José dos Campos e acampando em São Paulo, onde reina nossa sede. Sede? Que sede? Apenas um endereço formal, pois que de bens e posses o grupo nada possui. Nova diretoria foi empossada – como se diretoria subentendesse um grupo de privilegiados, comprometidos a administrar uma entidade poderosa. Até tesoureiro temos. Formalidades estatuárias para cumprir a lei, já que nada existe de tesouro tilintante. Nosso tesouro está na riqueza de cada elemento, poucos na verdade, mas lapidados e forjados no calor de uma vocação, um chamado que queima por dentro e nos abrasa como irmãos no desafio de evangelizar. Como bem disse nosso novo presidente ao discursar em sua posse: “Somos sempre tentados a olhar o passado e às vezes nos esquecemos de olhar o futuro”. Disse tudo, irmão Tatto. Não podemos nos estacionar na glória de uma história que se foi, mas continuar visualizando o caminho pedregoso que nos resta e que se abre a um grupo de muitos outros que um dia seguirão nossa loucura de amor ao evangelho e à vida missionária. D. Fernando Figueiredo, bispo responsável pelo grupo (hoje de ordem diocesana) e que agora passa seu cajado a D. José Negri, também esteve entre nós nessa assembleia. Confessou-nos sua admiração pela nossa teimosia (desde que chegou a Santo Amaro, nossa diocese-mãe, sempre foi assessorado e circundado por elementos do MEAC), acompanhou momentos de glória e de profunda crise pelos quais o grupo atravessou e agora nos reencontra mais uma vez reabastecidos na determinação de avançar, cada qual renovando seu compromisso missionário “por mais um ano”. Encorajou-nos com o testemunho de São Paulo, cuja vida foi uma apaixonante “loucura” pelo Evangelho. “Só quem se deixa conduzir pela força e dinamismo da vida missionária é que produz frutos; os frutos da misericórdia e do amor de Deus” – disse D. Fernando. Então é isso: sem vaidade, sem alardes, mas submissos àquilo que o Senhor nos pede, mais uma vez nosso grupo de loucos, individualmente, mas conscientes do desafio pessoal, pudemos repetir como o profeta em alto e bom som: “Aqui estou, Senhor, envia-me!” Se você se sentir atraído por essa loucura, entre em contato conosco. WAGNER PEDRO MENEZES wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem