Uma boa notícia anunciada

A Igreja é sacramento da salvação. Assim o papa Francisco nos apresenta o dever da anunciar o Evangelho, no terceiro capítulo de sua exortação ao povo de Deus, sob o sugestivo título A Alegria do Evangelho. Colocando a salvação como “primazia de Jesus Cristo em qualquer trabalho de evangelização”, fica bem claro que Ele estará sempre à frente de sua obra, mas a Igreja, enviada por Ele, será o instrumento único e essencial para que a obra aconteça. E Igreja somos nós, o povo de Deus. “Isto implica ser o fermento de Deus no meio da humanidade, quer dizer anunciar e levar a salvação de Deus a este nosso mundo, que muitas vezes se sente perdido”… (114). Já não se trata de uma responsabilidade hierárquica ou institucional. “A graça supõe a cultura e o dom de Deus encarnado na cultura de quem o recebe”. O papa nos quer evangelizadores a partir do meio e da cultura em que vivemos. “Às vezes, na Igreja, caímos na vaidosa sacralização da própria cultura, o que pode mostrar mais fanatismo do que autêntico ardor evangelizador”. Não partimos de uma imposição doutrinária, que desrespeite a cultura e tradição do outro, mas que a considera por primeiro, para então partilharmos nossas convicções sem afrontar as convicções contrárias. Simplesmente porque “em todos os batizados atua a força santificadora do Espírito que impele a evangelizar”. Simplesmente porque “o povo de Deus é santo em virtude dessa unção, que o torna infalível ao crer, não pode enganar-se, ainda que não encontre palavras para explicar sua fé” (119). Aqui já não nos cabem desculpas. Objetivo em seus argumentos, o papa ainda nos lembra: “A nossa imperfeição não deve ser desculpa, pelo contrário, a missão é um estímulo constante para não nos acomodarmos na mediocridade, mas continuarmos a crescer”. Exorta seus pregadores, em especial os padres, a melhor prepararem suas homilias. “Sabemos que os fiéis lhe dão muita importância e, muitas vezes, tanto eles como os próprios ministros ordenados sofrem: uns a ouvir e os outros a pregar”. Cita Mc 6,2, falando de Jesus: “Ficavam maravilhados bebendo os seus ensinamentos”. Acrescenta: “Isto requer que a palavra do pregador não ocupe um lugar excessivo, para que o Senhor brilhe mais que o ministro” (138). E adverte: “Um pregador que não se prepara não é espiritual: é desonesto e irresponsável quanto aos dons que recebeu”. Lembra-nos que “o maior risco dum pregador é habituar-se à sua própria linguagem e pensar que todos os outros a usam e compreendem espontaneamente” (158). De fato, quantos “profissionais” da Palavra ai estão, preocupados muito mais com seus dons e carismas, sua arte de arrebatar multidões, o sucesso, o respeito e reconhecimento público, mas vazios da verdade libertadora, da unção transformadora. Há muito abandonaram o primeiro anúncio, o verdadeiro querigma. Sobre este, o papa nos lembra: o cristão anuncia sempre Jesus Cristo, seu amor, sua vida, suas promessas… E completa: “Mais do que como peritos em diagnósticos apocalípticos ou juízes sombrios que se comprazem sem detectar qualquer perigo ou desvio, é bom que nos possam ver como mensageiros alegres de propostas altas, guardiões do bem e da beleza que resplandecem numa vida fiel ao Evangelho” (168). Pregar a palavra não é privilégio de poucos, mas dever de todos. Exige apenas coerência e responsabilidade. “A evangelização requer a familiaridade com a Palavra de Deus, e isto exige que as dioceses, paróquias e todos os grupos católicos proponham um estudo sério e perseverante da Bíblia e promovam igualmente a sua leitura orante, pessoal e comunitária” (175). É o mínimo, se desejamos um máximo. “Deus falou” e continuará nos revelando sua vontade, seu projeto, seu Amor, se nós, seus seguidores, levarmos adiante sua fala, em especial, as Palavras Reveladas de seu Filho amado. Essa é a função da Igreja Viva, aquela que crê e deseja a Salvação para todos. WAGNER PEDRO MENEZES wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem