VIRTUDES DE UM CARRO DE BOIS

À minha frente na estrada um longo, pesado e lento treminhão de canas vencia mais um aclive. Seu rodar macio e resoluto me obrigou diminuir a marcha e acompanhá-lo respeitoso, enquanto não me era possível ultrapassá-lo. Afinal, não havia alternativas.
À frente de tudo, além da estrada, viajaram minhas lembranças. Céleres, alcançaram um passado não tão distante. Tempo do carro de bois, também pesado e lento, com sua preciosa carga de canas em direção ao engenho. Seu rodar, ao contrário, não era nada macio ou silencioso. Belo, mavioso, fazia ecoar na estrada o som estridente das roldanas em atrito. O canto do carro de bois! Quanto mais lamurioso, mais belo!
Não sei o porquê, mas aquele treminhão forçando meu caminho trouxe-me lembranças de um tempo virtuoso e belo. Um freio forçado a me forçar o pensamento. Apesar do progresso, o carro de bois ainda retumba com seu som estridente no porão da memória. Cumpriu seu papel com perfeição. Contribuiu com o progresso. Evoluiu, tornou-se um treminhão! Não mais o utilizaremos para nossos transportes, mas de sua existência nos lembramos com nostalgia e saudade. Suas virtudes e méritos não se perderam, transformaram-se.
A evolução é isso. Não aposentamos ou engavetamos para sempre um passado.
Apenas o transformamos, buscando uma constante evolução. Também no campo das virtudes. Aquela velha e bela lembrança, aquele comportamento padronizado, bem dimensionado ou meticuloso, lições de civilidade, ética ou moral, hoje nos parecem fora da realidade. O mundo exige mais audácia, intrepidez, dinamismo, pra não dizer astúcia.
A competitividade transforma nossas definições de virtudes ou respeito humano. O mercado exige força bruta, coragem, capacidades cada vez maiores. Talvez assim justifiquemos muitas das ações contrárias à consciência de nossas virtudes. A estrada a vencer, a distância entre nosso campo e a indústria, o desafio do transporte continua o mesmo. Aumenta a competitividade entre humanos. Que se danem as virtudes! Cada um pra si e Deus…
Eis o drama do cristão no mundo. Sua fé estará sempre à frente, a lhe apontar as injustiças de um mundo excludente. O lugar ao sol almejado por todos é espaço de poucos. A desigualdade das armas é um despropósito. A maioria ainda viaja em carros de bois.
A isso tudo denominamos tempos de progresso. Um progresso que fere e incomoda, enrubesce qualquer consciência esclarecida. Um progresso sem virtudes.

Enquanto as virtudes do passado – aquelas que proporcionavam orgulho ao paciente condutor do carro de bois – não se equipararem à respeitosa paciência dos que viajam atrás dos modernos treminhões, aguardando sua vez para ultrapassá-los, muitas vidas serão ceifadas pela imprudência dos mais apressados.
Virtudes serão sempre virtudes. Não importa a época. Não há como excluí-las da longa estrada das relações humanas. Progredimos, modernizamos nossos caminhos, ampliamos a frota de nossas exigências, adaptamos nossos trajetos, porém a meta continua a mesma. Nossa estrada estará livre, mas nem por isso haveremos de condenar ou desrespeitar qualquer experiência dos nossos antepassados. Porque, no andar da carruagem, as virtudes estarão sempre à frente de qualquer objetivo humano. Passo a passo, um dia chegaremos lá.

WAGNER PEDRO MENEZES
wagner@meac.com.br

Compartilhar:

Compartilhar:

Mais conteúdo

CASA DA SOGRA

Não há como fugir da curiosidade que o título aqui desperta. Por experiência, definição, ironia, crítica ou mesmo rejeição, sabemos que a casa da sogra

DEMÔNIOS QUEREM NOS DESTRUIR

Tem gente que não acredita em Deus, mas teme os demônios. Tem gente que faz pacto com demônios, mas ignoram os pactos que Deus fez

AUDIÊNCIA GERAL 24/01/24

O texto a seguir inclui também as partes não lidas que são igualmente consideradas como pronunciadas: Catequeses. Os vícios e as virtudes. 5. A avareza

O TEMPO É AGORA

O grande desafio que o cristianismo propõe ao mundo é encarar a realidade do tempo presente. Seja este bom ou ruim, o fato é que

Enviar Mensagem